Última hora

Última hora

Muro de Berlim: Desfile de Trabants celebra passagem para a liberdade

Em leitura:

Muro de Berlim: Desfile de Trabants celebra passagem para a liberdade

Tamanho do texto Aa Aa

Berlim assistiu, este domingo, a um desfile de Trabants. Mais uma forma de celebrar a passagem para a liberdade.

“Vinte e cinco anos após a queda do Muro de Berlim, passar a ponte Bornholmer com um Trabant continua a ser um símbolo forte”, explica Olaf Bruns, o enviado da euronews a Berlim.

Porque foi exatamente nessa ponte que, na noite de 9 de novembro de 1989, as pessoas forçaram a abertura do primeiro posto de controlo e, com os Trabant – carros típicos da então RDA, República Democrática Alemã – aceleraram em direção ao Ocidente e a uma liberdade que lhes tinha sido negada durante décadas.

Ainda hoje, fazer o mesmo percurso, em Trabant, é um momento especial para os alemães. Um condutor afirma: “Provoca-me calafrios”!

O Trabant foi um carro muito desejado, mas também ridicularizado por muitos, por ser feito de plástico. Mas os amadores não se importam. Um proprietário de Trabant explica: “Os homens de aço conduzem carros de papelão!”

Angela e Wolfgang foram dos primeiros a atravessar a ponte, a pé, na primeira noite. Ainda guardam o visto da Alemanha Federal, um visto inicialmente válido por seis meses.

“Ouvimos imenso barulho, a nossa rua estava cheia de carros – é a rua que atravessa [a ponte]. E o meu marido disse: ‘É mesmo verdade, é mesmo a sério! Vamos ver também”, recorda Angela.

E o marido continua: “Ao início, nem queríamos acreditar. Tínhamos vivido aqui durante décadas e era aqui que o mundo acabava! Mas acabámos por aceitar isso.”

Símbolo da corrida para a liberdade, o Trabant é, contudo, mal-amado pelos ecologistas, por causa do motor a dois tempos e da poluição que causa.

Mas até para isso, há quem tenha soluções! O nosso repórter viu um Trabant propulsionado por… uma bicicleta!