Última hora

Última hora

PIB da Grécia volta a crescer

Em leitura:

PIB da Grécia volta a crescer

Tamanho do texto Aa Aa

A Grécia pôs fim a seis anos de recessão. A economia do país voltou a crescer. O PIB grego teve um aumento de 0,7% no terceiro trimestre do ano, em relação aos três meses anteriores. Foi o terceiro trimestre consecutivo em alta. Um melhoramento das condições que ainda não tem efeitos visíveis nas ruas: “Não o sentimos. Lá porque dizem que a economia cresceu, não quer dizer que seja verdade. Era bom que fosse verdade, mas não vejo nada”, diz um transeunte em Atenas.

Para Foteini, cliente de uma cantina social na capital grega, é difícil notar os efeitos de um crescimento económico, depois de vários anos de crise e de medidas de austeridade que empobreceram a população: “Os números podem ser falsos, tal como já foram no passado. Não refletem a realidade. A realidade não tem a ver com números, mas sim com o que podemos ver num sítio como este”.

O PIB da zona euro cresceu 0,2% em relação ao trimestre anterior e 0,3% no total da União Europeia. Em termos anuais, o crescimento foi bastante mais significativo: 0.8% na Eurozona e 1.3% nos 28 Estados membros.

Foi uma subida acima das previsões, graças sobretudo a um bom desempenho da França. A Alemanha escapa à recessão.

“Estes números são uma pequena boa notícia, mas não podemos ser complacentes. São precisas políticas fortes para fortalecer a economia”, diz Mina Andreeva, porta-voz da Comissão Europeia.

A inflação na Eurozona subiu ligeiramente. Foi de 0,4% em outubro, apenas um décimo percentual acima do valor de setembro. Um número ainda muito baixo para os critérios do Banco Central Europeu: “A zona euro tem verdadeiros problemas estruturais. A Alemanha, que é a estrela do grupo, está com problemas. Por isso, Mario Draghi quer um euro fraco e alguma inflação”, diz o analista Joe Rundle, da ETX Capital.

Países como a Grécia e a Bulgária continuam a ter uma inflação negativa. No que toca a Portugal, a taxa de inflação anual foi de 0,15 em outubro, depois de ter sido de zero em setembro.

A economia portuguesa teve um crescimento anual de 1%, mais um décimo que o verificado nos meses de abril a junho.