Última hora

Última hora

Jihadistas franceses queimam passaportes em vídeo

Em leitura:

Jihadistas franceses queimam passaportes em vídeo

Tamanho do texto Aa Aa

França assiste atónita ao desfilar de jihadistas franceses nas fileiras do grupo Estado Islâmico. Imagens mostram jovens a queimarem os passaportes e a apelarem aos seus conterrâneos para se juntarem à guerra, mesmo contra a França.

A televisão pública francesa diz que os Serviços Secretos identificaram um dos elementos do vídeo da execução de Peter Kassig como sendo francês, diz tratar-se de Mickaël dos Santos, um lusodescendente:

“Ele converteu-se. Sabemos que está na região há um ano e meio, desde agosto de 2013. Foi treinado aí, aprendeu a manejar armas e tornou-se ultrarradical, também sabemos que é ultraviolento. Vemo-lo através dos livros que ele evoca nas redes sociais, faz ameaças de atentados contra França, apela à jihad, menciona, recorrentemente, o nome de Mohamed Merah”, explica Jean-Charles Brisard, especialista em terrorismo.

Na localidade de Champigny-sur-Marne, onde se terá convertido ao Islão, os seus pares não aceitam o seu comportamento:

“Nunca imaginei que seria capaz de agir assim”, diz um muçulmano.

“Para nós é um assassino porque o Islão não é isto, O Islão é paz”, afirma outro.

Entre os elementos do grupo extremista Estado Islâmico há jovens de vários países europeus, entre eles Portugal. Um problema que a União Europeia, e os Estados-membros, não estão a ser capazes de controlar.