Última hora

Última hora

Rota do Rum: Vencedora da categoria "Rum" orgulhosa como mulher

Em leitura:

Rota do Rum: Vencedora da categoria "Rum" orgulhosa como mulher

Tamanho do texto Aa Aa

Foi já na noite de quarta-feira – 17 dias depois da partida de Saint-Malo, em França – que a edição deste ano da Rota do Rum conheceu o último dos vencedores a chegar a Point-à-Pitre, em Guadalupe, nas Caraíbas.


Adversária do português Ricardo Diniz, a “skipper” Anne Caseneuve foi a vencedora na categoria na categoria “Rum”: “É uma regata extremamente dura e difícil. Obriga a muito trabalho. Cheguei a pensar em desistir. Mas, pronto, terminou em beleza. Foi muito bom. Estou muito contente e, por ser a primeira mulher, muito honrada.”


O enviado especial da euronews a Guadalupe foi, entretanto, à zona industrial de Jarry conhecer alguns dos profissionais que trabalharam na sombra em prol do sucesso da edição deste ano da prova. “A Rota do Rum ajuda-nos a dar a conhecer esta indústria náutica de Guadulupe. Vamos conhecer alguns dos ‘lobos-do-mar’ que ajudaram a prova, o que fazem e os estaleiros onde trabalharam”, lança Rémi Pelletier.


O primeiro é Mathieu Forbin, Sócio-gerente da FORMADO: “Sou responsável pela frota técnica: os barcos da imprensa e os dos VIP. Trabalhámos duro no estaleiro para ter os 16 barcos prontos a utilizar, dia após dia, ao nível do nome da Rota do Rum. Para que esta regata possa apresentar uma imagem magnífica.”

Renaud Capdevielle é o diretor-geral do estaleiro TIG: “Há já três edições que somos nós que fabricamos os pontões para a receção aos velejadores. Recorremos a poliestireno para garantir a flutuação. É uma produção 100 por cento local.”

O grande vencedor desta edição da Rota do Rum foi o francês Loïck Peyron, com um novo recorde da regata. Pela primeira vez, um português esteve em prova. Ricardo Diniz acabou desclassificado por entrar numa zona proibida quando procurava abrigo no norte de Espanha devido ao mau tempo e a uma avaria.