Última hora

Última hora

Seis países juntam-se para exercício de resposta a crise terrorista

Em leitura:

Seis países juntam-se para exercício de resposta a crise terrorista

Tamanho do texto Aa Aa

O grupo anarquista “Quinta-feira Negra”, com ligações a terroristas no Médio Oriente, fez duas centenas de reféns numa universidade perto da cidade belga de Antuérpia.

Este é o cenário de um exercício de resposta a crises que envolveu 350 membros da polícia e da proteção civil de seis países, em cooperação com os serviços da Comissão Europeia (CE).

“O mais recente atentado terrorista na União Europeia (UE) foi cometido na Bélgica por um atirador solitário que regressou do Médio Oriente, onde lutou ao lado dos jihadistas islâmicos. Mas a Europa tenta preparar-se para cenários mais complexos, tais como ataques com armas químicas e biológicas”, refere a correspondente da euronews, Isabel Marques da Silva.

Depois de libertados, os reféns teriam de ser descontaminados, devido à ameaça dos terroristas de recorrerem a vários tipos de vírus e de produtos químicos contra os civis.

Só depois passariam ao centro médico de campanha. A líder da equipa médica explica que “podemos receber as vítimas de ferimentos de bala, de quedas ou de lesões por agentes químicos. Todos podem receber cuidados nesta área”.

Em 2013, foram registadas cerca de 500 detenções de suspeitos de atividades terroristas na UE.

A agência policial Europol considera o retorno de combatentes islâmicos de origem europeia como a maior ameaça da atualidade.

“A ameaça é relativamente similar por toda a Europa”, disse o diretor-geral dos serviços de resposta a crises da CE, Claus Sorensen.

“É claro que alguns Estados-membros de maiores dimensões vêm partir mais jovens, mas penso que os ataques podem acontecer em qualquer lugar. Penso que não devemos exagerar a ameaça, mas temos que estar bem preparados”, acrescentou.

França, Alemanha, Luxemburgo, Áustria e Holanda juntaram-se às autoridades belgas.

Cerca de 800 pessoas, entre especialistas, operacionais e voluntários, participaram no exercício, que foi um dos maiores de género em território europeu.