Última hora

Última hora

Imigração: o cavalo de batalha de Cameron

Em leitura:

Imigração: o cavalo de batalha de Cameron

Tamanho do texto Aa Aa

Tornar a Grã-Bretanha um destino menos atraente para os imigrantes europeus. É o objetivo traçado pelo primeiro-ministro britânico a seis meses das eleições gerais. David Cameron quer expulsar os imigrantes que ao fim de meio ano não consigam encontrar um emprego e limitar o acesso aos benefícios sociais.

“O nosso sistema de proteção social resulta das contribuições feitas pelos trabalhadores britânicos. Há milhões de pessoas a fazer aquilo que é certo, ou seja, a pagar ao longo de várias gerações. Não é justo que os imigrantes cheguem e possam, imediatamente, tirar partido do sistema. Vejamos o que significam estas mudanças. Os imigrantes europeus devem ter uma oferta de emprego antes de entrar no país. Os contribuintes britânicos não vão assumir encargos que não são deles. Mais, conseguir um emprego não chega para aceder aos benefícios sociais, nomeadamente, no que toca à habitação. Vai ser preciso residir no país pelo menos durante quatro anos. Os britânicos devem saber que as medidas para reduzir a imigração são decisivas para as negociações com Bruxelas” refere Cameron.

De olhos postos nos eleitores, o chefe de governo britânico aproveitou a passagem por West Midlands, no centro Inglaterra, para apresentar as linhas gerais do plano para reduzir a entrada de imigrantes europeus e para deixar um aviso aos parceiros europeus.

“Se em maio for eleito primeiro-ministro vou negociar a reforma da União Europeia e a atual relação com a Grã-Bretanha. A liberdade de circulação vai ser crucial na negociação. Se for bem-sucedido vou defender a manutenção do nosso país no seio da União Europeia. Caso não deem ouvidos às nossas preocupações, não poderemos melhorar a nossa relação com os 28 e teremos de abandonar a União Europeia” conclui.

Os mais recentes dados do gabinete nacional de estatísticas revelam que entre junho de 2013 e junho deste ano, o número de imigrantes no país aumentou cerca de 40 por cento. Cerca de metade dos recém-chegados são europeus.