Última hora

Última hora

Líbano apanha mulher e filho do líder do grupo Estado islâmico

Uma das mulheres do líder do autoproclamado Estado Islâmico e o filho de ambos foram capturados pelo exército do Líbano há cerca de dez dias, revelou

Em leitura:

Líbano apanha mulher e filho do líder do grupo Estado islâmico

Tamanho do texto Aa Aa

Uma das mulheres do líder do autoproclamado Estado Islâmico e o filho de ambos foram capturados pelo exército do Líbano há cerca de dez dias, revelou esta terça-feira fonte das forças de segurança libanesas.

A mulher e o filho de Abu Bakr al-Baghdadi foram apanhados perto da fronteira com a Síria, próximo da cidade fronteiriça libanesa de Arsal, adiantou a mesma fonte à France Press.

Fontes militares citadas pela agência espanhola EFE revelaram que os dois detidos foram conduzidos a uma prisão localizada na sede do Ministério da Defesa libanês e estarão aí ser interrogadas. O jornal local As Safir adiantou que a detenção foi realizada em coordenação com “serviços de informação estrangeiros” e a mulher, cuja identidade não foi revelada, estaria a viajar com o filho na posse de passaportes falsos.

Em Kobane, no norte da Síria, prosseguem, entretanto, os combates entre “peshmergas”, nome dado aos combatentes curdos, e os extremistas armados do grupo Estado Islâmico. Numa das investidas dos extremistas nas últimas horas para recuperar o controlo de algumas áreas entretanto tomadas pelas forças curdas, terá morrido um dos responsáveis do grupo islâmico também conhecido pela sigla inglesa ISIL. O morto foi identificado como sendo um emir checheno de nome Asadulá al Shishani.

De acordo com o vice-ministro dos Assuntos Exteriores do governo autónomo de Kobane, Idris Nuaman, combatentes do ISIL de origem caucasiana estão a tentar desde a noite passada as zonas perdidas para os curdos nos últimos três dias a sudeste da cidade. O Observatório Sírio para os Direitos Humanos acrescentou que o grupo Estado Islâmico teria já conseguido recuperar o controlo sobre um mercado de verduras no leste de Kobane. A mesma Organização Não Governamental (ONG) revelou que, para lá do emir checheno, terão morrido outros 20 membros da organização radical islâmica e pelo menos três “peshmergas.”

A ofensiva do ISIL sobre Kobane começou a 16 de setembro e nas primeiras semanas avanaçou rapidamente. A chegada à região de “peshmergas” enviados pelo governo do Curdistão Iraquiano no final de outubro reforçou de forma considerável a resistência da cidade às investidas do grupo Estado Islâmico. Os combates continuam na zona.