Última hora

Última hora

Salvar os recifes de coral com máquinas fotográficas HD

Em leitura:

Salvar os recifes de coral com máquinas fotográficas HD

Tamanho do texto Aa Aa

Uma equipa de cientistas da Catlin Seaview Survey está a realizar uma expedição subaquática no que pode vir a tornar-se “o último refúgio na Terra”

Uma equipa de cientistas da Catlin Seaview Survey está a realizar uma expedição subaquática no que pode vir a tornar-se “o último refúgio na Terra” de recifes de coral, se o clima continuar a mudar como tem mudado.

Integrando a Indonésia, as Filipinas, a Malásia, a Papua Nova Guiné, as Ilhas Salomão e Timor Leste, o Triângulo de Coral do sudeste asiático é a casa de um terço dos recifes de coral de todo o mundo e de cerca de 35 por cento de todas as espécies de animais marinhos que habitam neste género de ecossistemas.

Esta expedição no Triângulo de Coral do sudeste asiático inclui várias instituições de pesquisa marinha, lideradas pela Universidade de Queensland, na Austrália, na pessoa de Benjamin Neal. “O que estamos a fazer de diferente, aqui, é o registo de muito mais imagens com uma câmara de autopropulsão. Estamos a estudá-las de uma forma, esperamos, muito mais rápida, recorrendo a uma análise automática. Isto é importante, simplesmente, porque o estudo dos recifes de coral não está a analisar o suficiente a superfície dos recifes para que possamos entender o que ali se passa”, explicou o também investigador do Instituto das Alterações Globais, da Universidade de Queensland.

Muitas das imagens desta expedição são recolhidas através de uma das duas únicas câmaras SVII do Mundo, um submergível especial desenvolvido pela Catlin Seaview Survey. A câmara HD (alta definição) pode ser controlada por um mergulhador a uma velocidade constante. Desta forma, os cientistas registam informações vitais sobre a saúde, a diversidade de espécies existentes no Triângulo de Coral e a dimensão dos recifes.

“O tempo, agora, é para agir. O que estamos a recolher são factos importantes que afetam a capacidade dos corais de se manterem vivos.
Se não fizermos nada, estes problemas podem vir a prejudicar os recifes de coral de todo o Mundo”, alertou Benjamin Neal.

O arquivo de dados da Catlin sobre os recifes do planeta está disponível de forma gratuita e pode ser usado por qualquer cientista para estudar este tipo de ecossistemas sensíveis e monitorizar as alterações. Os investigadores garantem: se nenhuma ação for tomada, há risco de extinção, no espaço de um século, dos corais como todo um ecossistema.