Última hora

Última hora

Bélgica: Batata frita na corrida para património cultural da Unesco

Em nome da batata frita, pára tudo. Velhas divisões ou rivalidades dão lugar ao desígnio nacional belga para tornar a batata frita património

Em leitura:

Bélgica: Batata frita na corrida para património cultural da Unesco

Tamanho do texto Aa Aa

Em nome da batata frita, pára tudo. Velhas divisões ou rivalidades dão lugar ao desígnio nacional belga para tornar a batata frita património cultural imaterial da Unesco.

Existe mesmo uma petição a circular para elevar o estatuto das batatas fritas.

O presidente da Associação dos Quiosques Belgas de Batatas fritas, Bernard Lefevre, explica que “há um fenómeno que partilhamos com os que falam alemão, francês e holandês que é o cone de batatas e também a cultura que as rodeia. É um bom produto mas também uma forma de vida, uma ‘belgitude’”.

Nem as divisões linguísticas param o movimento que teve origem na Flandres. Mas na verdade o norte de França também quer participar.

“As batatas são estaladiças por fora e por dentro são suaves ao ponto de se derreterem. São mesmo diferentes em relação àquelas a que costumamos comer”, diz um jovem francês.

Talvez em breve as batatas fritas se juntem ao cante alentejano português e à capoeira brasileira, que ganharam o estatuto este ano.