Última hora

Última hora

Lara Gut derrota a rainha da neve, Ted Ligety vence em casa

Lindsey Vonn e Kjetil Jansrud são os grandes destaques do fim de semana na Taça do Mundo de esqui alpino mas nem foram eles a subir ao lugar mais alto do pódio este domingo.

Em leitura:

Lara Gut derrota a rainha da neve, Ted Ligety vence em casa

Tamanho do texto Aa Aa

Lindsey Vonn festejou a primeira vitória em 22 meses no downhill de Lake Louise e foi naturalmente o grande destaque do fim de semana na Taça do Mundo de esqui alpino.

No entanto este domingo a norte-americana nada pôde fazer para derrotar Lara Gut. A suíça é a atual detentora do Globo de Cristal no super gigante e não deixou os seus créditos por mãos alheias na primeira prova da disciplina esta temporada.

Lara Gut completou a prova em 1m18s48’ repetindo o triunfo do ano passado na estância canadiana. Aos 23 anos de idade, tem já onze vitórias na Taça do Mundo.

Lindsey Vonn ficou a 37 centésimos de um fim de semana perfeito em que até regressava após uma longa ausência por lesão no joelho direito. A norte-americana não se ressentiu da paragem, no sábado venceu a descida, no domingo foi segunda classificada no super g. A rainha do esqui alpino está de volta.

No lugar mais baixo do pódio ficou Tina Maze. A eslovena terminou a 81 centésimos da vencedora e consolidou a liderança na Taça do Mundo. Tem agora 117 pontos de vantagem sobre a austríaca Anna Fenninger, que não foi além da oitava posição no super gigante de Lake Louise.

Para Franck Piccard o esqui não se limita ao inverno
O fim de semana passado, Franck Piccard afirmou que Vonn podia deixar a sua marca logo no regresso e o tempo mostrou que tinha razão.

Este domingo, o antigo campeão olímpico fala da preparação física, indispensável durante o verão para estar em forma no inverno.

Franck Piccard: “O esqui alpino é um desporto incrível porque exige qualidades em todos os campos. É preciso resistência, velocidade, força, equilíbrio e é ainda preciso manter a postura no ar. São todas características que não se podem trabalhar só sobre os esquis.

É necessário trabalhá-las no paraquedismo, snowboard, surf… Enquanto não se percorrer todas as etapas de preparação, enquanto não se der todos os passos necessários é impossível esquiar ao mais alto nível.”

Três vencedores em Beaver Creek

Durante três dias os melhores esquiadores do planeta fizeram as delícias dos adeptos na Bird of Prey, a pista de Beaver Creek que irá acolher os Campeonatos do Mundo de fevereiro. Três percursos, três disciplinas e três vencedores diferentes.

Kjetil Jansrud começou o fim de semana em grande, com a terceira vitória consecutiva na Taça do Mundo. O norueguês, que já tinha vencido as duas provas de Lake Louise, voltou a não dar hipóteses na descida.

Jansrud, no entanto não conseguiu manter a série vitoriosa no super gigante de sábado. Teve de se contentar com a segunda posição, onze meses depois, o austríaco Hannes Reichelt voltou a subir ao lugar mais alto do pódio.

O fim de semana em Beaver Creek terminou com a vitória de um homem da casa, Ted Ligety conquistou o slalom gigante de domingo. Jansrud não foi além da 15ª posição, ainda assim é ele quem lidera a Taça do Mundo.

Wow. Again. #headwhatsyourlimit

Une photo publiée par Kjetil Jansrud (@kjansrud) le

Esqui de outros tempos

Recuamos a 7 de dezembro de 1975, Ken Read acabou de surpreender em Val d’Isère com a vitória no Critério da primeira neve. O jovem canadiano estabeleceu um tempo canhão que nenhum dos especialistas conseguiu bater, nem mesmo Franz Klammer, que não era derrotado num downhill há 310 dias.

Duas semanas mais tarde foi a vez de Dave Irwin vencer em Schladming. Até então, as provas de velocidade eram domínio exclusivo das nações alpinas. O segredo destes canadianos, Ken Read e Dave Irwin, mas também Dave Murray e Steve Podborski, era não ter medo de correr riscos. Nasceu aí a alcunha “Crazy Canucks.”

Para a semana há mais

A próxima etapa da Taça do Mundo estava marcada para Couchevel, nas mulheres, e Val d’Isère, nos homens, mas devido à falta de neve nas estâncias francesas, ambas as provas foram mudadas para Åre, na Suécia.