Última hora

Última hora

A Cimeira onde saem "todos a ganhar" menos o clima

A Cimeira do Clima chega ao fim em Lima, no Peru, depois de prolongados os trabalhos. No total, representantes de 190 países marcaram presença no encontro marcado pela dificuldade em chegar a um conse

Em leitura:

A Cimeira onde saem "todos a ganhar" menos o clima

Tamanho do texto Aa Aa

A Cimeira do Clima das Nações Unidas, no Peru, permitiu desenhar um esboço do acordo que vai substituir o Protocolo de Quioto.

Do encontro não saíram decisões concretas, mas apenas intenções.

“Permitam-me dizer-lhes que não há textos perfeitos, mas este respeita as diferentes posições e penso que com este documento saímos todos a ganhar” refere Manuel Pulgar Vidal, ministro do Ambiente do Peru.

Os ecologistas consideram que o documento é pouco ambicioso já que cabe a cada país traçar as metas para reduzir as emissões de CO2 e definir as ações para lá chegar.

“Chegamos aqui com algum optimismo devido aos anuncios feitos, antes da Cimeira, pelos Estados Unidos e pela China, bem como, pela intenção de alguns países da América Latina apostarem em energias renováveis. E o documento que temos aqui não ajuda a que se possa selar um bom acordo em Paris” afirma Samantha Smith, responsável pela WWF’s Global Climate & Energy Initiative.

As propostas, que devem ser apresentadas até março de 2015, vão servir de base ao novo acordo climático que vai ser rubricado em Paris com o objetivo de substituir o Protocolo de Quioto, a partir de 2020.

O entendimento alcançado ao fim de mais de duas semanas de negociações prevê, ainda, um apoio financeiro por parte dos países ricos aos países em desenvolvimento. A China e a Índia já se congratularam com o resultado do encontro.