Última hora

Última hora

Incêndio do Norman Atlantic continua rodeado de mistério

Três dias depois do incêndio do “ferry” Norman Atlantic no mar Adriático, continuam por determinar as causas da tragédia e o número real de vítimas

Em leitura:

Incêndio do Norman Atlantic continua rodeado de mistério

Tamanho do texto Aa Aa

Três dias depois do incêndio do “ferry” Norman Atlantic no mar Adriático, continuam por determinar as causas da tragédia e o número real de vítimas.

Até ao momento, foi confirmada a morte de onze passageiros, aos quais se juntam dois albaneses que faleceram quando participavam nas operações de reboque da embarcação acidentada.

Mas o número de desaparecidos ainda está por determinar, depois de ter sido confirmada a presença a bordo, tanto de passageiros que não constavam no registo, como de vários imigrantes ilegais. Oficialmente, havia 474 nomes na lista de embarque; entre os 427 resgatados, mais de duas dezenas não estavam nessa lista.

Proveniente de Patras, na Grécia, o “ferry” está agora a ser rebocado com destino ao porto de Brindisi, na Itália. As autoridades italianas esperam depois poder esclarecer então a origem e dimensão da tragédia.

Esta quarta-feira, os últimos resgatados chegaram à localidade italiana de Taranto, a curta distância de Brindisi, onde se encontra a maioria dos sobreviventes.

Um alemão que estava a bordo do Norman Atlantic queixa-se da falta de informação por parte da tripulação. Timo Berndt acredita que “a maioria das vítimas morreu porque tentou saltar para o mar, durante a primeira hora do incêndio, sem qualquer informação ou assistência”.

O comandante do Norman Atlantic já foi ouvido pelas autoridades italianas, que de momento tentam apurar se os procedimentos de segurança a bordo foram ou não respeitados.