Última hora

Última hora

Em leitura:

"Cartunistas: os soldados da democracia"


cinema

"Cartunistas: os soldados da democracia"

O primeiro documentário de Stéphanie Valloatto retrata desenhadores do mundo inteiro que arriscam a vida em nome da liberdade de expressão.

Apesar de só possuírem a arma do humor e da provocação, são censurados, ameaçados e banidos, mesmo em regimes democráticos.

Em estados autoritários, as críticas podem pagar-se com a morte.

A realizadora francesa viajou por vários países, incluindo a Rússia, os Estados Unidos, Israel, a Palestina e a Tunisia para conhecer o dia-a-dia de 12 cartoonistas, homens e mulheres.

“A ideia era mostrar em que ponto se encontra a democracia e a liberdade de expressão no mundo. Escolhemos caricaturistas de todos os continentes e selecionámos temas – economia, política, religião – para estabelecer pontes entre eles”, explicou a realizadora.

O documentário inclui uma entrevista com Kurt Westergard, o dinamarquês autor das caricaturas de Maomé e ameaçado de morte.

A tunisina Nadia Khiari, mais conhecida como “gato Willis”, não hesita em retratar as contradições dos políticos e a instrumentalização da religião no período pós-revolucionário.

Uma atitude que tem custado muito caro a vários colegas de profissão. O russo Mikhail Zlatkovsy está impedido de publicação desde a era Brezhnev. É obrigado a trabalhar ilegalmente como taxista.

O israelita Kichka expressa a sua visão do trabalho do cartoonista.

“A ideia não é é gozar com os políticos mas mostrá-los a nu. Tento mostrar a verdade nua e crua tal como eu a vejo como a sinto e como a entendo. Porque num cartoon, afirmamos o nosso ponto de vista, a nossa opinião”, disse o desenhador.

O documentário intitulado “Caricaturistas soldados da democracia”(“Caricaturistes: Fantassins de la Democratie”), estreou no último festival de Cannes.

Escolhas do editor

Artigo seguinte
"Olhos grandes" de Tim Burton estreia em fevereiro

cinema

"Olhos grandes" de Tim Burton estreia em fevereiro