Última hora

Última hora

Marc Márquez, o orgulho de Cervera

Bicampeão do mundo de Moto GP, duas vezes campeão nas categorias inferiores. Aos 21 anos de idade, Marc Márquez é um piloto de recordes, um fenómeno

Em leitura:

Marc Márquez, o orgulho de Cervera

Tamanho do texto Aa Aa

Bicampeão do mundo de Moto GP, duas vezes campeão nas categorias inferiores. Aos 21 anos de idade, Marc Márquez é um piloto de recordes, um fenómeno do motociclismo e o orgulho de Cervera, a sua cidade natal. É um extraterrestre sobre as duas rodas mas que mantém os pés bem assentes na terra, um piloto atípico que reescreveu a história e continuará a fazê-lo.

Point of view

"Desde que tenho um, dois anos que vejo competições de motos. A paixão nasceu aí. De tanto ver motos, também queria uma."

A jornalista da euronews, Cinzia Rizzi, esteve com o espanhol na sua cidade natal durante a inauguração de mais um clube de fãs.

euronews: “Marc, muitos parabéns. Estava à espera de uma temporada como esta?”

Marc Márquez: “Muito obrigado. Nunca esperamos uma temporada tão boa, não é? Honestamente esperava lutar pelo título, porque era esse o objetivo, mas não esperava ganhar 13 corridas, conseguir 13 pole positions e garantir a vitória tão cedo. Foi uma temporada quase perfeita.”

euronews: “Em 2008, quando ganhou o título de moto 3, o seu primeiro, disse que o sonho era um dia ser campeão de moto gp. Agora já o fez por duas vezes. Com que sonha agora?”

Marc Márquez: “O maior sonho que tinha era tentar ser campeão nas três categorias. Já o consegui e na Moto GP por duas vezes, o meu maior sonho já se tornou realidade. Agora vou tentar lutar pelo título em cada ano, é esse o objetivo. Nunca nos cansamos de ganhar. Uma coisa que também gostaria no futuro seria ajudar um jovem piloto. Sei que é no início que as famílias mais necessitam de ajuda, nem todas se podem dar ao luxo de ajudar o seu filho.”

euronews: “O que significa para si ser comparado a grandes campeões como Doohan, Rossi, Agostini…”

Marc Márquez: “É incrível, são nomes que via à distância, lendas do motociclismo. Sobretudo Valentino, o meu herói de criança. Pensava que nunca iria chegar ao seu nível. Agora compito contra ele e aprendo bastante. A princípio custou-me aceitar essa realidade mas agora estou mais habituado. Sempre que me comparam com lendas do motociclismo é um privilégio.”

euronews: “Quem é, na sua opinião, o rival mais perigoso neste momento? Quem o assusta mais?”

Marc Márquez: “Para a próxima temporada, o mais perigoso, no início, será Valentino Rossi. Foi ele que terminou em segundo, mas sei perfeitamente que Jorge Lorenzo é um adversário bastante perigoso, que quando está concentrado e trabalha bem é muito difícil de derrotar. E Dani Pedrosa, sempre muito regular que pela calada vai lutando pelo título em todos os anos.”

euronews: “Quando tinha quatro anos pediu uma moto aos seus pais. Porque não um kart ou outra coisa qualquer?”

Marc Márquez: “Não me lembro bem mas foi seguramente porque os meus pais frequentavam os circuitos de motos, como adeptos, e eram voluntários num circuito aqui perto de casa. Eu acompanhava-os desde pequeno, desde que tenho um, dois anos que vejo competições de motos. A paixão nasceu aí. De tanto ver motos, também queria uma.”

euronews: “E o que é que a sua mãe, Roser Alentà, achou deste pedido?”

Roser Alentà (mãe de Marc e Álex): “Pensei que era apenas um passatempo, como qualquer criança que pede uma prenda ao pai natal. Queria uma moto a gasolina. Pensava que a ia receber e fartar-se dela passados três ou quatro meses.”

euronews: “Qual a melhor recordação que tem?”

Marc Márquez: “É recente, foi em novembro em Valência quando vi o meu irmão sagrar-se campeão do mundo. Eu já tinha ganho, já tinha passado por essa experiência. Vencermos os dois no mesmo ano, a emoção de ver o meu irmão vencer o título mundial, nunca o esquecerei. É muito diferente ganhar e ver alguém da tua família a fazê-lo.”

euronews: “O que inveja no seu irmão? O que é que ele tem que você não?”

Marc Márquez: “Quando saímos juntos tenho inveja do seu tamanho. É mais alto.”

Álex Márquez (Campeão do Mundo de Moto3 e irmão de Marc): “Sim, a minha altura. Mas mesmo pequeno também se saiu bem, é inveja entre aspas.”

Marc Márquez: “Entre irmãos temos pouca inveja. Temos praticamente as mesmas coisas, estamos sempre juntos, em treinos, viagens, férias. É sempre bom ter um irmão no mundo das motos com quem podes treinar e partilhar esta filosofia de vida.”

Álex Márquez: “Eu invejo os quatro títulos, só tenho um! Penso que qualquer piloto na grelha o inveja por isso.”

euronews: “E o que vai acontecer no dia em que competirem ambos na Moto GP?”

Marc Márquez: “Até agora temo-nos ajudado bastante um ao outro. Se algum dia estivermos os dois na Moto GP logo veremos, se calhar a informação vai-lhe chegar a conta-gotas e cada vez menos. Estou a brincar. Se qualquer um de nós ganhar ficamos os dois contentes, caso isso venha a acontecer é um bom sinal. Logo se vê como o vamos gerir.”

Álex Márquez: “Espero ter este problema um dia, significava que tinha chegado à Moto GP e nos lugares da frente para lutar com ele. É um sonho. Ainda falta muito por isso prefiro não pensar no assunto mas oxalá que tenha este problema um dia.”

Julià Márquez (pai de Álex e Marc): “De momento vamos apostar no Alex na Moto 2 e no Marc na Moto GP. Se um dia o trabalho do Alex o levar a competir com o Marc na Moto GP, resta-nos cruzar os dedos e esperar que ganhe o melhor.”

euronews: “Dá bastante importância à família mas prepara-se para sair de casa. Não vai sentir falta da família, dos amigos e da cidade?”

Marc Márquez: “A família sempre foi muito importante e sempre estivemos unidos. Mas como qualquer jovem chega um momento em que queres ter a tua própria casa, o teu próprio espaço. A mudança acontece ao longo de algum tempo, não vou viver sozinho de um momento para o outro. Vamos ver como me adapto, posso sempre voltar para casa dos meus pais que estou muito bem.”