Última hora

Última hora

Irmãos Kouachi: atacantes de jornal francês abatidos numa tipografia

A fuga dos irmãos Kouachi, os alegados responsáveis pelo ataque contra o jornal Charlie Hebdo, terminou esta sexta-feira no edifício de uma gráfica

Em leitura:

Irmãos Kouachi: atacantes de jornal francês abatidos numa tipografia

Tamanho do texto Aa Aa

A fuga dos irmãos Kouachi, os alegados responsáveis pelo ataque contra o jornal Charlie Hebdo, terminou esta sexta-feira no edifício de uma gráfica em Dammartin-sur-Goele, a uma centena de quilómetros de Paris.

Ao final de várias horas de cerco e depois de 48 horas de caça ao homem, os dois irmãos foram abatidos ao lançarem-se sobre as balas da polícia, de armas em punho, depois das forças especiais terem lançado o assalto ao local onde os atiradores se encontravam refugiados.

A polícia francesa divulgou o vídeo e várias fotografias do assalto final à tipografia:

Os habitantes locais não escondem o alívio depois de um homem, escondido no edifício, ter sido libertado ileso.

“Quando soubemos que o sequestro tinha terminado sentimo-nos aliviados. Enviamos-lhe um SMS e à sua mulher a perguntar-lhes se necessitavam de qualquer coisa e se estavam bem”, afirma a dona de uma padaria local.

O responsável do departamento de Seine e Marne afirma:

“Quero exprimir o meu alívio e de todos os residentes pois este evente ocorreu numa área densamente povoada, com crianças e escolas, com vários trabalhadores. Conhecemos bem a empresa ocupada pelos dois atacantes e estamos contentes que tudo tenha terminado bem”, afirma Bernard Corneille.

O homem no interior do edifício, considerado durante horas como um refém, ter-se-ia escondido dentro de uma caixa, sem nunca cruzar os dois homens armados, tendo, aparentemente, fornecido informações em direto à polícia sobre a localização dos dois atacantes.

(O momento da libertação do refém, divulgado pela polícia francesa)

Os dois atacantes tinham, na quarta-feira, reivindicado o ataque ao Charlie Hebdo como uma ação do grupo Al-Qaida na Península Arábica, ativo no Iémen.

Um comunicado semi-oficial do grupo, difundido esta sexta-feira, reivindicou a ação.