Última hora

Última hora

Charlie Hebdo: Quase 4 milhões manifestam-se nas ruas de França

Uma maré humana saiu às ruas de França. Em todo o país, 3, 7 milhões de pessoas exprimiram solidariedade e revolta contra os ataques de quarta

Em leitura:

Charlie Hebdo: Quase 4 milhões manifestam-se nas ruas de França

Tamanho do texto Aa Aa

Uma maré humana saiu às ruas de França. Em todo o país, 3, 7 milhões de pessoas exprimiram solidariedade e revolta contra os ataques de quarta, quinta e sexta-feiras, um número avançado pelo ministério do Interior.

“Manifestações em todas as cidades de França, incluindo aqui em Lyon. É uma multidão enorme, pessoas de todas as cores, de todas as condições e também de todas as gerações. Há verdadeiramente um sentimento de solidariedade”, relata a nossa correspondente na cidade francesa de Lyon, Laurence Alexandrowicz. Só nessa cidade, estiveram cerca de 300 mil pessoas, segundo a polícia.

“Há muito tempo que não me manifestava, mas não me contive, era indispensável estar aqui, de partilhar, ver que não estávamos sozinhos, de cerrar fileiras e mostrar que não temos medo”, disse uma senhora.

Outra afirma que os terroristas “são pessoas miseráveis que, infelizmente, foram coagidas. Penso que falhámos, no nosso sistema de ensino, na nossa república, em integrar esta gente nos nossos valores republicanos”.

Contra a barbárie terrorista, marchar, marchar. Gente de todas as religiões e raças mostrou que está unida. Cristãos ou muçulmanos, há quem não tenha contido as lágrimas pelo que se passou.

“No fundo estou em cólera, bastante enraivecida e não paro de chorar, não paro de chorar Charlie e os seus apoiantes. Tenho lágrimas que caiem da minha alma, choro por toda esta França que se inflama, não quero que isto aconteça à França. Vivi na Argélia isto e não quero que o mesmo se passe em França”, afirma outra mulher.

“Em Espanha conhecemos um período em que não havia qualquer liberdade, matavam em nome de Deus e ainda nos lembramos disso”, explica uma idosa de origem espanhola que também fez questão de sair às ruas.