Última hora

Última hora

Esqui alpino: A vitória inesperada de Stefano Gross

O slalom de Adelboden reservou-nos uma surpresa, este domingo, com a primeira vitória de Stefano Gross, na Taça do Mundo. O italiano superou Fritz

Em leitura:

Esqui alpino: A vitória inesperada de Stefano Gross

Tamanho do texto Aa Aa

O slalom de Adelboden reservou-nos uma surpresa, este domingo, com a primeira vitória de Stefano Gross, na Taça do Mundo. O italiano superou Fritz Dopfer e Marcel Hirscher, mas foi por pouco:

Foi, de facto, a grande surpresa deste domingo a vitória de Stefano Gross no slalom de Adelboden, na Suíça. Ou talvez o número 13 lhe tenha trazido sorte.

O italiano, quinto na primeira manga, realizou uma segunda manga que nenhum dos seus adversários conseguiu superar e em menos dois centésimos de segundo que o alemão Fritz Dopfer, que teve de contentar-se com o segundo lugar do pódio.

Em terceiro ficou o austríaco Marcel Hirscher que, também devido ao abandono de outro alemão, Felix Neureuther, conquista a liderança na especialidade e mantém a da geral na Taça do Mundo.

A pista de Lauberhorn aos olhos de Franck Piccard

Marcel Hirscher e os seus rivais vão permanecer na Suíça nos próximos dias, perto de Adelboden, na estância de Wengen. Um programa combinado: um slalom e um downhill, na lendária pista de Lauberhorn, que deixou boas lembranças ao ex-campeão olímpico Franck Piccard:

“É provavelmente a pista de que mais gostei porque se mantém inalterada desde os anos 20 ou 30. É uma pista que evoluiu muito pouco com o passar do tempo: a ponte, o túnel, a chamada cabeça de cão. Mudou pouco desde os nossos tempos. Em geral, a descida dura entre 2 minutos e 15 e 2 minutos e 30. Quando nos apercebemos que depois de 1 minuto e 30, 2 minutos, começamos a ver mal devido à fadiga, consegue imaginar o estado em que se está ao fim de 2 minutos 30. É o apocalipse, estamos na completa escuridão. Mas esta é uma pista onde temos toda a luz possível e imaginária, é uma volta à montanha, por isso, de vez em quando estamos virados a norte ou a sul e depois há acelerações, travagens, velocidades elevadas ou mais reduzidas, há pontos com uma largura que nos permite imprimir uma boa trajetória e outros onde temos 30 centímetros para passar!”

O dia de Tina Maze

Regressamos a 2 de março de 2013, ao coração da Baviera, quando Tina Maze quebrou o recorde de 2000 pontos de Hermann Maier, na Taça do Mundo. A eslovena ultrapassou esta barreira simbólica ao vencer o downhill em Garmisch-Partenkirchen batendo a sua grande rival Lindsey Vonn, que estava lesionada num joelho. Não satisfeita continuou o seu bom desempenho até ao final da temporada, tendo vencido em 5 disciplinas, subido ao pódio 24 vezes e marcado 2.414 pontos, em suma, batendo um recorde depois do outro.