Última hora

Última hora

Nacionalidade francesa: realizado o sonho do herói do minimercado Kosher

Lassana Bathily, de 24 anos, imigrou de uma pequena aldeia do nordeste do Mali, para se juntar ao pai em França, em 2006. No dia 9 de janeiro, chegou

Em leitura:

Nacionalidade francesa: realizado o sonho do herói do minimercado Kosher

Tamanho do texto Aa Aa

Lassana Bathily, de 24 anos, imigrou de uma pequena aldeia do nordeste do Mali, para se juntar ao pai em França, em 2006.

No dia 9 de janeiro, chegou mais cedo ao minimercado kosher, onde trabalha, para lavar o chão antes da abertura. Às 12.55h quando abria a porta da câmara fria, na cave, ouviu tiros e os gritos do terrorista Amédy Coulibaly, e umas 10 pessoas nas escadas aos gritos. Uma mulher trancou-se na casa de banho e ficou lá até ao fim do sequestro. Lassana fechou seis clientes e um bebé na câmara de congelados e na câmara de frescos, pois eles tiveram medo de ir no monta-cargas para a saída de emergência, mesmo acima do local onde Ammédy estava. Depois, fugiu, explicou à polícia onde os deixou escondidos.

Desde o princípio afirmou que “não escondeu judeus, escondeu ser humanos, porque quando olha para uma pessoa, não vê um ateu, ou um cristão ou um muçulmano; o que sabe diferenciar é uma má pessoa de uma boa. Não poderia ter deixado morrer inocentes…”

Como todos os imigrantes clandestinos, teve de evitar a expulsão, de que escapou em 2009, e só em 2011 conseguiu um visto de estadia para encontrar trabalho. Muçulmano praticante, Lassana sonha ter a nacionalidade francesa. Tinha feito o pedido oficial em julho passado.

Lassana gosto muito do país em que vive:

- Gosto muito de França, pois mesmo quando não temos nada, não temos papeis, não temos dinheiro, tratam de nós, francamente, é um belo país. Amo a França.

Tudo apontava para uma espera de anos até conseguir a nacionalidade francesa: os critérios são restritos, têm a ver com a idade, tempo de permanência, integração profissional e outros.

Mas este herói foi agraciado pelo presidente por ter salvo tantas vidas, quando o país estava de luto há já dois dias. Lassana também está de luto: o jovem colega Yohan Cohen, de 20 anos, foi um dos quatro judeus mortos por Amédy Coulibaly.