Última hora

Última hora

Os riscos associados à Inteligência Artificial

Em leitura:

Os riscos associados à Inteligência Artificial

Tamanho do texto Aa Aa

Um grupo de cientistas acaba de publicar uma carta aberta sobre os riscos associados à Inteligência Artificial. O documento considera que tudo deve ser feito para que os projetos respeitem os interess

Um grupo de cientistas acaba de publicar uma carta aberta sobre os riscos associados à Inteligência Artificial. O documento não pede o fim da investigação mas considera que tudo deve ser feito para que os projetos respeitem os interesses da humanidade. O físico Stephen Hawking é um dos signatários da carta aberta onde se lê que é necessário evitar potenciais armadilhas ligadas ao desenvolvimento da robótica.

Point of view

A carta foi escrita para encorajar um espírito construtivo, encorajar os projetos de investigação na área da inteligência artificial e noutras disciplinas, como a filosofia, a psicologia, e a economia, o que levará à construção de máquinas inteligentes mas seguras

A euronews falou com uma das signatárias da carta, Francesca Rossi, professora nas universidades de Harvard e Pádua.

Francesca Rossi: “Há quem diga que não há razões para preocupação porque as máquinas não são suficientemente inteligentes e há quem diga que em breve as máquinas em breve vão ser tão ou mais inteligentes que o Homem e virar-se contra o Homem. Nenhuma das duas posições extremas é razoável. É preciso adotar uma abordagem construtiva e tentar construir máquinas mais inteligente mas é preciso ter em conta a segurança e o comportamento que elas possam ter. Esta carta e o longo documento anexo foram escritos com essa intenção: ser construtivo, encorajar projetos de investigação na área da inteligência artificial e também noutras disciplinas, filosofia, psicologia, economia, o que levará à construção de máquinas inteligentes mas seguras”.

euronews: Coloco uma questão um pouco catastrofista. Essas máquinas inteligentes poderão um dia ultrapassar o homem que está limitado pelas leis da biologia? Poderemos ver um dia um robô a esmagar um homem, a superá-lo?”

Francesca Rossi: “Não vejo como poderá surgir esse cenário catastrofista em relação às máquinas. Essas máquinas poderão alterar o comportamento ao longo do tempo de acordo com o código introduzido inicialmente. Mas é de facto importante construir máquinas que podem ser controladas”.

O cinema tem-se interessado pela questão da Inteligência artificial. No filme “Her”, um homem desenvolve uma relação especial com o sistema operativo do computador.

Francesca Rossi: “Já há máquinas que interagem com os humanos, há robôs que fazem companhia a pessoas idosas, por exemplo, ou pessoas doentes. Essas máquinas podem criar um sentimento de empatia, como se a pessoa estivesse a interagir com um ser humano. Mas não penso que a evolução a que assistimos no filme pode acontecer no curto prazo”.

A carta aberta propõe também mudanças nas leis para enquadrar novas tecnologias como os carros automáticos, que podem ser perigosos.

Francesca Rossi: “Digamos que a tecnologia está pronta, esses carros podem andar na estrada e salvar a vida de muitas pessoas que atualmente morrem em acidentes devido a distrações ou coisas do género. O que falta agora é compreender qual é a legislação justa. É importante saber quem é responsável pelas decisões tomadas pelas máquinas”.