Última hora

Última hora

Grécia: Último folêgo de Samaras para derrotar Syriza

O último fôlego de Antonis Samaras para convencer o eleitorado grego de que a chave do sucesso económico está na austeridade seguida e que a bonança

Em leitura:

Grécia: Último folêgo de Samaras para derrotar Syriza

Tamanho do texto Aa Aa

O último fôlego de Antonis Samaras para convencer o eleitorado grego de que a chave do sucesso económico está na austeridade seguida e que a bonança está para chegar. No derradeiro comício em Atenas, o ainda primeiro-ministro e candidato nas legislativas gregas de domingo prometeu um alívio fiscal e mais emprego, fruto de um crescimento económico.

“Um voto apenas pode determinar se a Grécia vai seguir em direção ao futuro, que está agora muito próximo de nós ou se vai para um acidente fatal. Para todos aqueles que vão determinar o resultado final, hoje eu peço para lutarem, peço para se unirem a nós”, anunciou Samaras.

O líder do partido conservador Nova Democracia não desiste mesmo sabendo que as sondagens reforçaram as intenções de voto no adversário Syriza.

“No último comício do Nova Democracia, Antonis Samaras apresentou o trabalho do seu governo e criticou fortemente o Syriza e expressou confiança de que o seu partido vai triunfar nas eleições”, explica o correspondente da Euronews, Akis Tatsis.

O Syriza realizou o último comício na quinta-feira, apesar das sondagens lhe darem vantagem, é quase certo que precisa de um parceiro de coligação.

“Vamos honrar os compromissos da participação justa no quadro institucional europeu. Mas, não vamos honrar compromissos e assinaturas que os governos anteriores deram e que não são obrigatórios para o novo executivo”, afirmou em conferência de imprensa Alexis Tsipras, líder do Syriza.

A formação de esquerda prometeu rever os compromissos assumidos com as instituições internacionais e garante que vai pressionar para terem melhores condições para o pagamento da dívida ou até mesmo um perdão, um cenário que os conservadores consideram impossível e mesmo perigoso para a recuperação económica frágil do país.