Última hora

Última hora

Auschwitz: Sobreviventes não querem que o seu passado seja o futuro da nova geração

Neste dia 27 de janeiro de 2015 celebram-se os 70 anos da libertação do campo de Auschwitz-Birkenau. O presidente da Polónia , Bronislaw Komorowski

Em leitura:

Auschwitz: Sobreviventes não querem que o seu passado seja o futuro da nova geração

Tamanho do texto Aa Aa

Neste dia 27 de janeiro de 2015 celebram-se os 70 anos da libertação do campo de Auschwitz-Birkenau. O presidente da Polónia , Bronislaw Komorowski, foi o anfitrião de 300 sobreviventes do Holocausto, familiares, e 40 individualidades, a nível mundial, da política e da cultura (Steven Slpielberg apresentou um documentário, com voz de Meryl Streep), para cumprirem o dever da memória numa tenda erguida no Portão da Morte de Birkenau.

Há 70 anos, Halina Birenbaum veio com a família do gueto de Varsóvia, mas ficou sozinha logo, à chegada.
E testemunha:

- Nada vos lembra, nem remotamente, algo humano. Quando estamos aqui, não estamos em mais lado nenhum do mundo, é para morrer, enterrarmo-nos na lama, cobertos de excrementos e de sangue.

Kasimierz Albin – Estive em Auschwitz, durante dois anos, completamente alienado por causa da transformação do inferno. Desde o primeiro dia, trava-se uma luta sem tréguas pela sobrevivência biológica. A luta para tirar da morte o maior número de seres humanos e preservar a dignidade humana.
O destino misericordioso permitiu-me estar hoje, aqui, em frente do monumento das vítimas dos nazis. Façamos, por elas, um momento de silêncio.

Roman Kent – O desgosto, os gritos das crianças arrancadas às mães, a ação brutal dos torcionários, hão-de soar nos meus ouvidos até à morte.
Nós, os sobreviventes, partilhamos um objetivo comum com a geração atual. Nós, sobreviventes, não queremos que o nosso passado seja o futuro dos nossos filhos.

Entre os 40 chefes de Estado e representantes internacionais, estiveram os reis da Bélgica e da Holanda, os presidentes de França, Alemanha, Ucrânia e Áustria. Todos percorreram 700 metros para depositar uma vela (anteriormente acesa) no monumneto às vítimas de Auschwitz-Birkenau.