Última hora

Última hora

Varoufakis-Schäuble: "Não houve acordo nem sobre um desacordo"

Em leitura:

Varoufakis-Schäuble: "Não houve acordo nem sobre um desacordo"

Tamanho do texto Aa Aa

“Não houve acordo nem sobre um desacordo” as palavras do ministro grego das Finanças resumem o encontro entre Yanis Varoufakis e o homólogo alemão, Wolfgang Schäuble, em Berlim.

Apesar dos sinais de solidariedade à Grécia no exterior, no Ministério alemão das Finanças não houve cedências.

Yanis Varoufakis garantiu que “Atenas fará tudo o que puder para evitar o incumprimento”. Revelou que não discutiram uma eventual reestruturação da dívida, mas de um programa de transição que dure até maio.

O ministro acrescentou: “O que pedimos neste momento é, talvez, o bem mais precioso: o tempo. Um pequeno período para que o governo possa apresentar aos parceiros – ao Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e à Comissão Europeia – propostas globais, assim como um roteiro, chamamos a isso um programa de transição, a curto, médio e longo prazo”.

O ministro Wolfgang Schäuble mostrou-se cético em relação a algumas medidas do governo grego e insiste que Atenas têm de negociar com a “troika”.

Ao pedido de mais tempo, o responsável das finanças alemãs respondeu:

“Definimos os programas da Grécia, os programas de estabilização, de boa-fé e fomos para lá dos limites do que era justificável, tendo em conta as experiências das instituições envolvidas. Estes programas foram concebidos para ajudar para que a Grécia se possa ajudar a si mesma. Claro que podemos ajudar a encontrar o tempo necessário, mas os problemas têm de ser resolvidos, o local onde ocorrem é o único onde podem ser resolvidos”.

Yannis Varoufakis terminou em Berlim o périplo europeu. Mas está entre a espada e a parede após a decisão do BCE em relação aos bancos gregos.