Última hora

Última hora

Navios sem fumo

Em leitura:

Navios sem fumo

Tamanho do texto Aa Aa

Será que o gás natural se pode transformar no combustível que alimenta os motores dos navios de cruzeiro e de mercadorias? Quais são as vantagens e

Será que o gás natural se pode transformar no combustível que alimenta os motores dos navios de cruzeiro e de mercadorias? Quais são as vantagens e os inconvenientes?

Neste centro de investigação, em Copenhaga, na Dinamarca, está a ser desenvolvido um motor único. Alimentado com gasóleo e gás natural liquefeito (GNL), o motor foi desenhado para reduzir as emissões de gases como o dióxido de carbono e o óxido de nitrogénio. Para os cientistas que trabalham neste projeto europeu, as diferenças operacionais entre este motor e um convencional são muito poucas.

Michael Johnsen Kryger, engenheiro, MAN Diesel & Turbo:

“- Os operadores dos navios terão mais ecrãs para monitorizar no painel de controlo. A única função extra com que terão de se ocupar é carregar no botão “gás” quando desejarem.”

Para os cientistas, o maior desafio foi a criação de componentes com materiais novos para garantir um registo de segurança fiável do motor.

Michael Johnsen Kryger, engenheiro, MAN Diesel & Turbo:

“- O gás está a uma pressão de cerca de 300 bars. Temos um sistema de parede dupla que consiste num cilindro interior e num cilindro exterior. O cilindro exterior é ventilado e nós monitorizamos o fluxo, monitorizamos o gás para ver se há alguma fuga no sistema.”

E como é que os cientistas veem o que acontece no interior do motor quando o gás é injetado?

Johan Fredrik Hult, engenheiro, MAN Diesel & Turbo:

“- Nós usámos câmaras de alta-velocidade como esta, juntamente com um endoscópio como este, para observar o interior do motor. Agora percebemos melhor como é que o gás natural, que chega com uma pressão muito alta, é inflamado pelo piloto diesel no interior do motor. Desta forma podemos, por exemplo, otimizar o timing, os arranjos geométricos dos diferentes injetores de forma a inflamar o gás o mais eficientemente possível.”

Uma centena destes motores já foi vendida a armadores para equiparem as suas frotas. Os compradores acreditam que o investimento vai ser rentável, sobretudo porque o setor marítimo é cada vez mais regulamentado em termos ambientais.

Peter Andersson, United European Car Carriers:

“- Temos de pensar a longo prazo. Temos um navio que vai operar 25, 30 anos. E nesta eco-zona vamos deixar de poder queimar combustível com alto teor de enxofre, por isso é uma situação em que todos ficam a ganhar.”

Os cientistas olham agora em frente. A tecnologia já permite lançar no mercado motores alimentados exclusivamente a GNL. Mas faltam as infraestruturas e uma cadeia produtiva.

Lars R. Juliussen, coordenador do projeto Helios:

“- Temos que esperar por sistemas de armazenamento e fornecimento disponíveis em larga escala para o GNL. Quando isso acontecer, quando existir um abastecimento seguro e uma estrutura de preços igualmente segura e fiável, então as pessoas vão querer avançar para uma situação que é 100% gás.”

99% dos navios comerciais estão equipados com motores a gasóleo. O potencial de mercado para este motor é, por isso, enorme.