Última hora

Última hora

Consistório 2015: Europa perde peso no Colégio Cardinalício

A Igreja Católica vai reunir o Colégio Cardinalício no dia 14 de fevereiro. O papa Francisco vai nomear novos príncipes da Igreja numa cerimónia

Em leitura:

Consistório 2015: Europa perde peso no Colégio Cardinalício

Tamanho do texto Aa Aa

A Igreja Católica vai reunir o Colégio Cardinalício no dia 14 de fevereiro. O papa Francisco vai nomear novos príncipes da Igreja numa cerimónia formal chamada Consistório. O primeiro sumo pontífice da América do Sul, e o primeiro não europeu desde o ano 741, quebrou a tradição numa instituição religiosa regida pela tradição.

O que é o Colégio Cardinalício?

Os cardeais, também designados como príncipes da Igreja, são os colaboradores do papa no governo da Igreja Católica. O Colégio Cardinalício é composto por cardeais nomeados pelo sumo pontífice entre os membros da Cúria Romana e os arcebispos das maiores dioceses do mundo. Têm como missão principal a eleição de um novo papa durante um conclave secreto, na sequência da morte ou da resignação do sumo pontífice. Os cardeais apenas podem votar se tiverem menos de 80 anos – neste caso são designados como cardeais eleitores. Tradicionalmente, o número de cardeais eleitores é de 120. Contudo, o papa pode nomear mais prelados para o Colégio Cardinalício se o desejar.

Agência Ecclesia – Igreja: Origens e história do Colégio Cardinalício

Sítio do Vaticano
Rede Católica Mundial

Rumo a uma nova liderança no Vaticano?

O papa Francisco nomeou 15 cardeais eleitores, de 14 países diferentes, em janeiro de 2015. O sumo pontífice quebrou a tradição ao escolher prelados de origens tão diversas quanto Cabo Verde, Tonga e Myanmar – países que nunca tiveram um cardeal – ou da Etiópia, Vietname, México, Uruguai e Panamá. Os Estados Unidos e o Canadá ficaram de fora enquanto da Europa apenas foram nomeados cinco prelados. Mais significativa foi a escolha de somente um representante da Cúria Romana. Estas nomeações elevaram o número de participantes no Colégio Cardinalício para 125. As nomeações confirmam o desapego do papa Francisco às tradições e a rutura com as nomeações “automáticas” em determinados países.

“Agência Ecclesia – Consistório 2015”:Números e curiosidades:http://www.agencia.ecclesia.pt/noticias/vaticano/consistorio-2015-numeros-e-curiosidades/

Padre Federico Lombardi, Diretor do Gabinete de Imprensa da Santa Sé, ‘Note on new Cardinals’

Pope Francis shakes up the College of Cardinals

Observador – Papa vai apresentar projeto de reforma da Igreja

Editorial do do The Guardian sobre os novos cardeais

La Croix

A Europa perde preponderância?

A Europa perdeu a maioria no Colégio Cardinalício com estas nomeações. Quando o papa Francisco foi eleito, em 2013, 52 % dos príncipes da Igreja eram do Velho Continente, apesar de só 24% dos católicos serem europeus. No dia 14 de fevereiro o rácio de cardeais da Europa será de 46%. Um número que continua a ser preponderante no Colégio Cardinalício.

The Cardinals of the Holy Roman Church

Francis diversifies cardinals, choosing prelates from Asia, island nations

The College of cardinals will meet to confirm the new members and discuss reforms following a corruption scandal which has damaged the church

Agência Ecclesia – Semanário Ecclesia, edição especial: Consistório 2015