Última hora

Última hora

Injeção de biomaterial capaz de combater o cancro

Em leitura:

Injeção de biomaterial capaz de combater o cancro

Tamanho do texto Aa Aa

Investigadores norte-americanos desenvolveram uma injeção de biomaterial capaz de combater o cancro e doenças infecciosas. De acordo com a técnica

Investigadores norte-americanos desenvolveram uma injeção de biomaterial capaz de combater o cancro e doenças infecciosas. De acordo com a técnica desenvolvida na Universidade de Harvard, o biomaterial injetado adquire uma estrutura 3D dentro do organismo. O objetivo dos cientistas é manipular o sistema imunitário para que as células prejudiciais sejam atacadas.

Point of view

É possível injetar o biomaterial com uma seringa porque se trata de uma estrutura muito pequena: entra no corpo humano em forma de solução salina e quando essa solução salina se dissipa nos tecidos em redor, as partículas chocam uma contra as outras e formam uma estrutura tridimensional.

“É possível injetar o biomaterial com uma seringa porque se trata de uma estrutura muito pequena. Entra no corpo humano em forma de solução salina. Quando essa solução salina se dissipa nos tecidos em redor, as partículas chocam uma contra as outras e formam uma estrutura tridimensional”, explicou David Mooney, professor de bioengenharia da Universidade de Harvard.

As pequenas estruturas biodegradáveis de sílica em forma de bastonete formam pequenos buracos interiores chamados nanoporos que podem ser preenchidos por células imunes, as células dendríticas. “Utilisamos os nanoporos para libertar um fármaco que dirige milhões e milhões de células do sistema imunitário para a estrutura 3D. As células que se encontram nos poros entre as micropartículas podem ser programadas para agirem de certo modo”, sublinhou a investigadora Aileen Li, da Universidade de Harvard.

Ao serem atividadas as células dendíticas abandonam a estrutura 3D e atingem os nódulos linfáticos. No fundo, é como se se tratasse de um alarme que faz com que células do sistema imunitário ataquem as células cancerígenas. No final, as pequenas estruturas biodegradáveis dissolvem-se naturalmente no organismo.

Segundo os investigadores, as chamadas vacinas 3D podem também ser eficazes como terapia de prevenção, para fortalecer a resistência do sistema imunitário. Para já, a investigação está em fase de testes em animais.