Última hora

Última hora

Êxodo da nova geração kosovar

A manhã mal começa e já os grupos de jovens kosovares atravessam a fronteira do sul da Hungria com esperança de prosseguir até à Alemanha, em busca

Em leitura:

Êxodo da nova geração kosovar

Tamanho do texto Aa Aa

A manhã mal começa e já os grupos de jovens kosovares atravessam a fronteira do sul da Hungria com esperança de prosseguir até à Alemanha, em busca de um futuro melhor.

Desde janeiro, mais de 10 mil foram interceptados na Hungria.
Muitos são estudantes, como a jovem que aqui fala, desiludida com o próprio país, onde não mudou nada depois da independência, em 2008:

- Estamos desiludidos, porque já lutamos há anos, e não muda nada no Kosovo.

Os imigrantes kosovares atravessam a Sérvia de autocarro, onde podem ir legalmente, depois de 10 horas de estrada húngara. Chegados lá, tentam passar a fronteira, descalços, pela floresta.

Se a polícia os manda parar, podem solicitar asilo, ficando livres para continuar a viagem no interior do espaço Schengen. Mas os países europeus rejeitam os pedidos de asilo – Alemanha, Áustria, Suécia e França, por exemplo – porque os kosovares já não são refugiados de uma guerra nem sofrem perseguições. Assim, são enviados de regresso à Sérvia. Belgrado, que nunca reconheceu a independência de Pristina, solicitou a intervenção da União Europeia,

Mas porque começou este êxodo?

- Não temos trabalho, não temos escolas. Temos de partir todos pois não há quaisquer perspetivas.

A polícia húngara, revela que em janeiro, atravessaram ilegalmente a fronteira mil kosovares por dia:

Tenente-coronel Gábor Éberhardt:

- Estes últimos dias houve um abrandamento e apenas entre 300 a 700 tentaram passar.

Como a Áustria e a Alemanha são os destinos preferidos dos kosovares, a polícia enviou meios sofisticados aos agentes da fronteira com a Hungria, em Röszke-Horgos. A Sérvia, candidata à União Europeia, começou a parar os imigrantes com ajuda logística e técnica, câmaras térmicas e viaturas do FRONTEX.

Do outro lado da fronteira, em Palic, na Sérvia, famílias kosovares inteiras chegam de taxi, tentando assim passsar a fronteira. Os passadores levam 1000 € por pessoa para os levar até à Hungria.