Última hora

Última hora

E se houvesse uma técnica para acabar com o racismo?

Em leitura:

E se houvesse uma técnica para acabar com o racismo?

Tamanho do texto Aa Aa

Investigadores espanhóis e britânicos acreditam que é possível alterar a perceção que as pessoas têm umas das outras. A ideia foi posta em prática

Investigadores espanhóis e britânicos acreditam que é possível alterar a perceção que as pessoas têm umas das outras. A ideia foi posta em prática num estudo com voluntários. Graças à realidade virtual, cria-se a ilusão de que o corpo da pessoa é diferente. Ou seja, a pessoa vê-se na pele de outra pessoa. Os investigadores observaram a atitude das pessoas antes e depois de serem submetidas a um conjunto de técnicas de ilusão.

Point of view

Criamos a ilusão de que o corpo do voluntário tem uma cor diferente. As pessoas brancas começam a acreditar que são negras e nessa altura voltamos a medir o nível de preconceito racial.

A investigação é fruto de uma parceria entre a Universidade de Barcelona e a Royal Holloway University de Londres.

“Queríamos ver a reação das pessoas quando elas vêm um corpo de cor diferente da sua. Isso permite-nos medir o preconceito racial. Podemos medir por exemplo o preconceito em relação aos negros. Depois criamos a ilusão de que o corpo do voluntário tem uma cor diferente. As pessoas brancas começam a acreditar que são negras e nessa altura voltamos a medir o nível de preconceito racial”, explicou Manos Tsakiris, investigador da Royal Holloway University Of London.

Os voluntários foram estimulados com base em várias técnicas, algumas mais clássicas outras baseadas nas tecnologias de realidade virtual. Para os investigadores os métodos do estudo poderiam ser usados no mundo real para mudar as atitudes das pessoas.

“Penso que se trata de uma boa oportunidade. Graças ao desenvolvimento das tecnologias de realidade virtual que são cada vez mais acessíveis do ponto de vista económico, podemos adaptar a nossa abordagem e usá-la com um propósito educativo”, acrescentou o investigador.

Resta saber se os efeitos do estudo duram apenas alguns instantes ou se são interiorizados de forma mais duradoura.