Última hora

Última hora

Milhões de gregos vivem sem eletricidade, sem cobertura de saúde, sem trabalho

Em leitura:

Milhões de gregos vivem sem eletricidade, sem cobertura de saúde, sem trabalho

Milhões de gregos vivem sem eletricidade, sem cobertura de saúde, sem trabalho
Tamanho do texto Aa Aa

Há dois anos que Giorgos e Evgenia Kouzilos vivem sem eletricidade. São forçados a manter os três filhos, à luz das velas e não são os únicos. Milhares de famílias, na Grécia, não podem dar-se ao luxo de pagar as contas de energia elétrica. De acordo com o governo de Atenas são 300 mil famílias que vivem abaixo do limiar da pobreza e às escuras.

Giorgos Kouzilos – A situação é muito difícil para a minha mulher e, principalmente, para os meus filhos. Tentamos fazer todas as atividades diárias, incluindo ajudar os nossos filhos com os trabalhos, enquanto â luz do dia.

Michalis Tsaousoglou dedica-se ao fornecimento de produtos básicos num banco alimentar, nos arredores de Atenas. Camionista desempregado há cinco anos, depois de 35 de trabalho e a pagar impostos, Michalis, há seis meses que também não consegue pagar a renda e tem 12 meses de contas de luz e água em atraso. Em 2014, não conseguiu ganhar um único euro.

Michalis Tsaoussoglou – Para ser honesto, sinto-me um inútil, como se estivesse sujo, como se não existisse.

Assim como a família Tsaousoglou, 21% das famílias gregas passaram fome durante o ano lectivo de 2013/14, e 54% não tiveram uma alimentação garantida, segundo o instituto Hellenic Prolepse.

Outra consequência terrível de seis anos de recessão é que 2 milhões de gregos, numa população de 10 milhões e meio, deixaram de ter acesso ao sistema de saúde pública. A maior parte saiu da classe média, pessoas que prederam o emprego, o negócio, ou jovens que nunca conseguiram come4ar a trabalhar. Na Grécia, ao perder o trabalho, o contribuinte perde também a cobertura da Saúde.

A taxa de desemprego permanece muito elevada: 25,8% em novembro, 50,6% no setor dos jovens com menos de 25 anos de idade. Apesar de uma recuperação modesta, 1,7% do PIB no quarto trimestre de 2014, a economia grega continua a destruir empregos, como no caso da cimenteira do grupo Lafarge, em Chalkida Evia, em janeiro passado.

Stelios Fotias – A empresa anunciou uma demissão em massa, de cerca de 226 funcionários. Não pediram a demissão de 50, 60, 70 pessoas. Agora é uma questão de tempo. Vamos todos ser demitidos, é só esperar. Este mês, no próximo, ou no seguinte, mais cedo ou mais tarde, estaremos acabados.

Nos últimos três anos, os casos de suicídio na Grécia aumentaram 35,7%, desde 2011, com um pico em 2012.