Última hora

Última hora

A missão hercúlea de Kiev para salvar a economia da Ucrânia

Em leitura:

A missão hercúlea de Kiev para salvar a economia da Ucrânia

Tamanho do texto Aa Aa

País de facto em guerra e em desmembramento acelerado, a Ucrânia já perdeu, para já, a Crimeia e a perspectiva é que grande parte do Leste fique nas mãos dos separatistas pró-russos. A juntar à catástrofe humanitária, a economia está à beira da falência.

Um ano depois da revolução em nome do sonho europeu, o Parlamento de Kiev começou a trabalhar no orçamento rectificativo, onde terá de apresentar reformas profundas e medidas para combater o cancro da corrupção, condições que são impostas pelo FMI para entregar à Ucrânia o novo empréstimo de 17.500 milhões de euros.

Kiev tem pela frente uma missão hercúlea. A euronews entrevistou, em exclusivo, o ministro da Economia, o lituano Aivaras Abromavicus, que detalhou o tortuoso caminho que a Ucrânia tem pela frente:

*“No que diz respeito às pessoas que trabalham no Governo e na Administração Pública, temos um problema gigantesco. Temos um grande problema com os pagamentos. Com a desvalorização da moeda, os salários estão abaixo de 200 dólares por mês e isto, obviamente, abre espaço à corrupção.

O Governo quer aprovar uma reforma na Administração que permita reduzir substancialmente o número de funcionários públicos e melhorar os salários dos restantes. No meu ministério, o plano prevê o corte de 50% dos funcionários este ano”.*

Dependente do gás e do petróleo russos, Kiev também prepara uma profunda reforma no sector da energia:

*“Uma das reformas fundamentais é a do sector da energia. A Naftogaz será dividida em pelo menos três companhias e muito possivelmente vamos apelar ao investimento estrangeiro nelas. Obviamente, vamos ter de subir as tarifas do gás no país, que são muito baixas.

A posição do Governo é que os mais ricos não devem beneficiar dos preços baixos, tal como acontece agora. Queremos aumentar o preço do gás o mais que for possível, deixando-o próximo do valor de mercado, mas vamos compensar os mais pobres com subsídios para que o possam pagar.

Com o actual declínio económico, o número de pobres no país vai continuar a aumentar e o número daqueles que recebem subsídios vai crescer substancialmente. Será um enorme desafio para o ministério dos Assuntos Sociais”.*

Nestes dois primeiros meses do ano, a moeda ucraniana já desvalorizou mais de 30%.

Em Janeiro de 2014 eram necessárias 8 hryvnias para comprar 1 dólar. Hoje, são necessárias 30.

Optimista, o Governo de Kiev está a preparar um orçamento rectificativo em que prevê uma taxa de câmbio a rondar 21/22 hryvnias por dólar, mas num país de facto em guerra e que se prepara para perder os principais recursos naturais que possui no Leste, a perspectiva para o futuro da Ucrânia é muito sombria.