Última hora

Última hora

Reportagem euronews: Em Artemivsk, ninguém acredita na trégua

Em Artemivsk, para onde as tropas ucranianas recuaram depois do cessar-fogo, ninguém acredita na trégua, como conta o repórter Sergio Cantone.

Em leitura:

Reportagem euronews: Em Artemivsk, ninguém acredita na trégua

Tamanho do texto Aa Aa

As armas soaram em Artemivsk, em honra de quatro soldados ucranianos mortos em Debaltseve.

Point of view

"Todos os dias ouvimos bombardeamentos. Não só ouvimos, como as nossas posições são bombardeadas. Por isso, é impossível retirar o armamento pesado."

É nesta cidade que uma parte das tropas ucranianas está agora estacionada, depois da retirada da linha da frente.

Os soldados morreram vítimas de minas. O bombardeamento de Debaltseve continuou depois do cessar-fogo, como confirma um soldado: “Depois do anúncio do cessar-fogo as coisas pioraram. Desde que a trégua começou”.

“Todos os dias ouvimos bombardeamentos. Não só ouvimos, como as nossas posições são bombardeadas. Por isso é impossível retirar o armamento pesado”, conta “Gross”, vice-comandante do batalhão “Kyivska Rus”.

Em Artemivsk, entre os soldados ucranianos, a fé no cessar-fogo é muito pouca ou nenhuma. O segundo acordo assinado em Minsk, por impulso da França e da Alemanha, obriga as duas partes a deslocar a artilharia pesada para uma linha a 50 quilómetros da zona de contacto.

“Ninguém acredita no cessar-fogo e na capacidade da diplomacia resolver o conflito. Os soldados e as outras pessoas esperam o pior nas próximas horas: Ataques a Artemivsk e Mariupol”, conta o chefe da delegação da euronews em Kiev, Sergio Cantone, em Artemivsk.