Última hora

Última hora

Ucrânia: Kerry chama "mentirosos" aos russos

Os Estados Unidos ponderam enviar armas para a Ucrânia. Os rebeldes começaram a retirar a artilharia pesada da linha da frente.

Em leitura:

Ucrânia: Kerry chama "mentirosos" aos russos

Tamanho do texto Aa Aa

O Congresso norte-americano pode em breve voltar a discutir o envio de armas para a Ucrânia. A pressão aumenta, com representantes quer republicanos quer democratas a pedir a Obama que mande armas ao exército de Kiev.

Point of view

Continuam a insistir nas representações erradas e nas mentiras, o que lhes queiram chamar, sobre as atividades que mantêm. Mentem na minha cara na cara de outros, em muitas ocasiões

O secretário de Estado John Kerry voltou a apontar o dedo à Rússia e mostrou-se particularmente duro num discurso perante o Comité de Relações Externas do Semado: “Continuam a insistir nas representações erradas e nas mentiras, o que lhes queiram chamar, sobre as atividades que mantêm. Mentem na minha cara na cara de outros, em muitas ocasiões”, disse Kerry.

Os rebeldes começaram agora a retirar a artilharia pesada, segundo os acordos de Minsk, mas o exército da Ucrânia diz que só se retira quando o cessar-fogo estiver a ser respeitado por inteiro: “Começámos hoje. A retirada da artilharia começa em quatro cidades, que são Debaltseve, Horlivka, Donetsk e Telmanove”, conta um comandante rebelde.

A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) insiste que as duas partes têm de cumprir o que foi acordado em Minsk: “Não estamos em posição de verificar a retirada da artilharia pesada, porque as informações básicas não foram fornecidas. O cessar-fogo não está a ser respeitado em vários pontos estratégicos. Estamos a falar de Debaltseve, Donetsk e Mariupol”, diz
Michael Bociurkiw, porta-voz da missão da OSCE na Ucrânia.

O medo da comunidade internacional prende-se, em grande medida, com Mariupol, a principal cidade da região em conflito que ainda se mantém nas mãos do exército regular.