Última hora

Última hora

Gravity: Fenniger e Hirscher vitoriosos

Fenniger impõe-se a Maze A edição desta semana do Gravity, o nosso magazine consagrado ao esqui alpino, começa com um novo episódio do duelo entre

Em leitura:

Gravity: Fenniger e Hirscher vitoriosos

Tamanho do texto Aa Aa

Fenniger impõe-se a Maze

A edição desta semana do Gravity, o nosso magazine consagrado ao esqui alpino, começa com um novo episódio do duelo entre Anna Fenninger e Tina Maze.

A austríaca arrebatou este domingo a super combinada de Bansko, na Bulgária. Fenninger superou a eslovena, fazendo-a perder alguns pontos preciosos rumo à classificação geral.

Fenniger e Maze continuam em despique cerrado pela final da Taça do mundo. A vitória da austríaca na super combinada de Bansko vem tornar mais apertado o topo da classificação, quando já só faltam três semanas para o fim da temporada.

Na única prova da disciplina nesta temporada, a austríaca conseguiu uma vantagem de 0“39 face à campeã do mundo no título, com 2’05“06. A terceira posiçâo no pódio foi ocupada pela sua compatriota Kathrin Zettel, quinta na geral.

Tina Maze continua a liderar a classificação na Taça do mundo, apesar de só a separarem de Fenniger 64 pontos.

Nesta segunda-feira teremos em Bansko um super-gigante, mais uma batalha a travar por Maze e Fenninger.

Hirscher reinou em Garmisch

Com dois segundos de vantagem na primeira manga, mais três segundos na segunda, o austríaco Marcel Hirscher arrasou este domingo os adversários em Garmisch-Partenkirchen. Marcel Hirscher mostrou que continua a dominar no slalom gigante, com um desempenho impressionante.

O austríaco, líder da Taça do mundo, deixou para trás os seus adversários – o alemão Felix Neureuther e o seu compatriota Benjamin Raich – com mais de três segundos. O vice-campeão do mundo do slalom gigante registou assim a sétima vitória da temporada.

Com dois segundos de vantagem depois da primeira manga, Hirscher acabou por se impor ao termo da segunda manga, com 3’‘28 de vantagem face a Felix Neureuther. Benjamin Raich completou o pódio com 3’‘44, enquanto o triplo campeão do mundo norte-americano Ted Ligety ficou em quarto.

Depois do desempenho em Garmisch-Partenkirchen, o austríaco aproxima-se do globo de cristal. E poderia conseguir a proeza inédita de conquistar a Taça do Mundo pelo quarto ano consecutivo.

Para o nosso comentador, Franck Piccard, Hirscher “não é um esquiador com um talento físico excecional, mas é alguém com uma excelente técnica de esqui, tanto em slalom – onde não é o gabarito que joga, mas a velocidade, a capacidade de de ler a trajetória e deixar correr os esquis – como em gigante, que me parece ser a sua disciplina favorita, já que dá provas de grande talento para esquiar, para se inclinar, alinhar as viragens e acelerar”.

“Não sei se ele será um dia capaz de avançar para as disciplinas de velocidade, mas tem provavelmente um grande talento em super-gigante”, defende Franck Piccard.

Momentos de ouro do esqui

No dia 21 de dezembro de 1998, na estação de Igls, no Tirol. Foi ali, nos picos de Innsbruck, que Hermann Maier conquistou uma das suas 54 vitórias da Taça do mundo. Maier regista nesse dia o melhor tempo do super-G, a sua grande especialidade.

Até aqui, nada de muito surpreendente.
O que é digno de destaque é o facto de os nove primeiros da classificação serem todos austríacos. Um recorde histórico. Trinta anos antes, os seis primeiros lugares na descida de Abetone haviam sido monopolizados pelos franceses.

Para a semana há mais

O próximo fim-de-semana será dedicado às provas de velocidade, nas categorias feminina e masculina. Vamos mostrar tudo em Gravity, com as imagens mais espetaculares.