Última hora

Última hora

Milhares de russos prestaram homenagem a Boris Nemtsov

Milhares de russos saíram à rua este domingo para prestar homenagem a Boris Nemtsov, assassinado na sexta-feira. Em Moscovo, os organizadores da

Em leitura:

Milhares de russos prestaram homenagem a Boris Nemtsov

Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de russos saíram à rua este domingo para prestar homenagem a Boris Nemtsov, assassinado na sexta-feira. Em Moscovo, os organizadores da marcha falam em 70 mil participantes enquanto a polícia estabelece este número em 21 mil. O cortejo iniciado por volta das 15 horas, em Moscovo, passou pela ponte onde o político crítico de Vladimir Putin foi abatido.

Point of view

Com a sua morte a minha esperança morreu, a esperança no futuro da Rússia, onde os direitos humanos são respeitados e não há corrupção

“Para mim, Boris Nemtsov era um político brilhante e carismático. Com a sua morte a minha esperança morreu, a esperança no futuro da Rússia, onde os direitos humanos são respeitados e não há corrupção. É porque este é o futuro que desejamos que estamos todos aqui” – afirma Yulia.

Em São Petersburgo, a segunda cidade do país, também se realizou uma marcha que juntou mais de 6 mil pessoas, afirmaram as autoridades.

“Nemtsov dizia que a Rússia não tinha nada que fazer na Ucrânia, que não tinha o direito de interferir nos assuntos internos na Ucrânia, de forma secreta ou aberta. Eu apoiava Nemtsov também neste ponto e é por isso que trouxe uma bandeira ucraniana” – explica Andrei.

Desde a reeleição de Vladimir Putin, há três anos, que os críticos do presidente não conseguiam juntar uma multidão tão grande. Mas mesmo entre a oposição, a maioria não acredita numa mudança no poder.

“A oposição demorou muito tempo a conseguir a autorização para desfilar no dia 1 de março. Finalmente, as autoridades permitiram a realização de uma pequena manifestação, bem longe do centro de Moscovo. Mas o assassínio de Boris Nemtsov não deixou outra opção às autoridades russas que tiveram que deixar os opositores de Vladimir Putin manifestarem-se aqui, junto ao Kremlin, no local onde foi morto um dos principais líderes da oposição” – conclui o enviado da euronews, Andrei Belkevich.