Última hora

Última hora

Rússia: Funeral de Boris Nemtsov reúne milhares de opositores a Putin

Para os opositores ao regime, este assassinato tem o dedo de Vladimir Putin. O presidente russo diz tratar-se de uma "provocação" dos seus adversários

Em leitura:

Rússia: Funeral de Boris Nemtsov reúne milhares de opositores a Putin

Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de russos vieram, esta terça-feira, prestar uma última homenagem a Boris Nemtsov.

Os restos mortais do opositor ao regime de Vladimir Putin, de 56 anos, assassinado sexta-feira a dois passos do Kremlin, estiveram em câmara ardente no Centro de Direitos do Homem Andrei Sakharov, em Moscovo.

No exterior, os populares formavam uma fila de cerca de um quilómetro. São, sobretudo, opositores a Vladimir Putin, uma minoria num país onde a popularidade do presidente continua elevada.

“Na minha opinião, esta morte é uma tragédia para todos nós. Era uma pessoa brilhante, líder do movimento dos que não concordam com Vladimir Putin. É, obviamente, uma grande perda”, afirma uma senhora.

Um homem diz: “Esta morte abriu os olhos, acordou e interpelou as pessoas que são capazes de pensar. Demonstrou que a injustiça e a corrupção não são aceitáveis. Devemos lutar, organizar-nos e mudar isto tudo.”

Após um velório de quatro horas, o corpo do antigo vice-primeiro-ministro de Boris Ieltsin foi transportado para o cemitério de Troyekurovskoye, nos arredores de Moscovo, onde também foi está enterrada Anna Politkovskaia, a jornalista de investigação, assassinada em 2006.

Para os opositores ao regime, não há dúvidas: este assassinato tem o dedo de Vladimir Putin. O presidente russo nega qualquer implicação do Kremlin e diz tratar-se de uma “provocação” dos seus adversários.

A companheira de Nemtsov, a manequim ucraniana, Anna Douritskaia, foi entretanto autorizada a regressar a Kiev após várias horas de interrogatório das autoridades russas.