Última hora

Última hora

BCE inicia as compras de dívida soberana a 9 de março

Em leitura:

BCE inicia as compras de dívida soberana a 9 de março

Tamanho do texto Aa Aa

O Banco Central Europeu (BCE) inicia segunda-feira, 9 de março, o programa de compra de dívida soberana. O anúncio foi feito na reunião do Conselho de Governadores do BCE, em Chipre.

A instituição pretende injetar 60 mil milhões de euros, por mês, na economia pelo menos até setembro do próximo ano ou até haver um “ajustamento sustentável” da inflação.

Mario Draghi, presidente do BCE, considera que o programa anunciado já teve efeitos positivos na economia. E acrescenta: “A flexibilização substancial e adicional da nossa política monetária apoia e reforça o surgimento de dados mais favoráveis da economia da zona euro, das condições dos mercados financeiros e os custos de financiamento externo da economia privada diminuíram ainda mais. As condições de empréstimo às empresas e famílias melhorou de forma considerável”.

O BCE, que deixou inalteradas as taxas de juros, baixou a previsão de inflação para este ano. Prevê uma estagnação dos preços, quando antes antecipava um aumento de 0,7%.

A economia da zona euro deverá acelerar. A previsão subiu 0,5% para 1,5%, beneficiando dos preços baixos da energia e de uma desvalorização da moeda.

Em relação à Grécia, o conselho de governadores decidiu aumentar, em 500 milhões de euros, a linha de financiamento de emergência aos bancos do país.

Em fevereiro, o BCE deixou de aceitar as obrigações gregas como garantias dos empréstimos, mas Draghi defendeu: “Até hoje, o BCE emprestou à Grécia 100 mil milhões de euros, mais precisamente, duplicou o crédito, de 50 para 100, no último mês e meio. Neste sentido, podemos dizer que, na realidade, o BCE é o Banco central da Grécia. Mas é também o banco central de todos os países”.

O limite máximo da linha de financiamento de emergência foi aumentado para quase 69 mil milhões de euros, para socorrer os bancos, enquanto Atenas negocia com os credores. Mas, por agora, a Grécia não poderá beneficiar do programa de compra de dívida pública do BCE.