Última hora

Última hora

Dois jovens detidos no aeroporto mais um "jihadista" identificado preocupam Austrália

Divulgadas as imagens dos dois jovens australianos detidos no aeroporto de Sydney sob suspeita de quererem juntar-se ao grupo Estado Islâmico. Um outro "jihadista" australiano foi identificado

Em leitura:

Dois jovens detidos no aeroporto mais um "jihadista" identificado preocupam Austrália

Tamanho do texto Aa Aa

Dois adolescentes intercetados no aeroporto de Sydney a caminho do Médio Oriente, no final da semana passada, e um outro identificado numa fotografia do grupo estado Islâmico empunhando uma arma agravaram a preocupação do governo de Camberra face à eficácia do aliciamento “jihadista” de jovens australianos. O primeiro-ministro Tony Abbott está determinado a estancar o recrutamento na Austrália por parte dos radicais islâmicos, que o governante já descreve como um “culto da morte.”

“Demasiados australianos estão a sofrer lavagens cerebrais pela internet por este culto da morte. Os dois adolescentes que tentaram embarcar rumo ao Médio Oriente e que foram intercetados pelas forças de vigilância fronteiriça são os mais recentes exemplos do recrutamento deste culto da morte. É importante fazermos tudo o que pudermos para acabar com isto”, afirmou Tony Abbott, esta segunda-feira.

A detenção dos dois irmãos terá acontecido sexta-feira à tarde, com as imagens dos dois jovens no aeroporto a serem reveladas no final de sábado. A identificação ou o destino exato dos dois jovens não foram divulgados. O responsável pelo pagamento das passagens aéreas dos dois jovens e o que foi encontrado na bagagem de ambos apenas será revelado com autorização dos pais.

“Estes dois jovens de 16 e 17 anos são crianças, não assassinos. Eles não devem ser autorizados a viajar para o estrangeiro para combater e depois voltarem à nossa terra eventualmente ainda mais radicalizados”, afirmou domingo o ministro australiano da Imigração, Peter Dutton, garantindo: “(os pais) ficaram chocados como qualquer um de nós ficaria.”

“Jihadista” britânico é afinal “Jake de Melbourne”

Um outro jovem australiano estará também agora no centro das preocupações de Camberra, mas este conseguiu mesmo viajar e foi agora identificado a partir de uma fotografia onde surge entre dois “jihadistas” armados com uma bandeira do grupo Estado Islâmico em pano de fundo. A fotografia apareceu pela primeira vez em dezembro, através do Twitter, e a fisionomia juvenil do rapaz chamou a atenção, suspeitando-se que ele fosse de origem britânica e alguns meios de comunicação chegaram a identifica-lo com o nome “Jonathan edwards.”

O jornal australiano The Age revelou, esta segunda-feira, que se trata de um jovem génio da matemática de nome Jake oriundo dos subúrbios de Melbourne. O jornal terá identificado o jovem australiano através de amigos e de alguns fiéis que frequentam mesquitas da região por onde terá passado Jake, entretanto convertido ao Islão e que agora responderá pelos nomes muçulmanos de Abdur Raheem ou Abu Abdullah.

Jake era um estudante tímido e descrito como antissocial pelos colegas. Rapaz de poucas falas, respondia com agressividade quando lhe dirigiam algumas brincadeiras. Em 2014, terá comçado a corresponder-se pela internet com um alegado jornalista da BBC e na mesma altura começou a falar à família da possibilidade de viajar para Istambul para trabalhar com este jornalista agora suspeito de se tratar de um recrutador para o grupo Estado Isdlâmico.

Fonte próxima da família de Jake revelou que em agosto do ano passado ele terá fechado todas as contas que possuia nas redes sociais e desapareceu, tendo, aparentemente, comprado um bilhete de avião para Istambul sem regresso previsto. Fontes turcas terão confirmado que ele atravessou a fronteira para a Síria usando o nome islâmico.

As autoridades australianas acreditam que mais de 110 cidadãos tenham saído do país para se juntarem ao Estado Islâmico, no Iraque e na Síria, dos quais cerca de duas dezenas já terão sido mortos em combate. Outros 400 australianos são vigiados atentamente pelas forças de segurança do país. “Sabemos que há outras pessoas tentadas a fazer coisas estúpidas, como estes jovens”, avisou Tony Abbott.