Última hora

Última hora

A320 Germanwings: Consternação e dor no Liceu de Haltern am See

Porquê???? – Questionam os familiares e amigos dos estudantes do Liceu Joseph Koening, em Haltern am See, na Alemanha, que pereceram no trágico

Em leitura:

A320 Germanwings: Consternação e dor no Liceu de Haltern am See

Tamanho do texto Aa Aa

Porquê???? – Questionam os familiares e amigos dos estudantes do Liceu Joseph Koening, em Haltern am See, na Alemanha, que pereceram no trágico acidente de avião da Germanwings.

O grupo de 16 estudantes e dois professores, regressava de uma viagem de intercâmbio escolar.
A cidade inteira (38 mil habitantes) sofre o choque e tenta apoiar-se num luto que custa assumir, em que dói acreditar.

No centro, a vida continua, tem de ser:

- Encontrei um amigo que me disse que tinha uma reunião de negócios hoje, que não podia cancelar, que tinha mesmo de ir pois a vida continua. É isso, exatamente, o temos de fazer. É muito triste….mas que podemos nós fazer?

- O meus três irmãos frequentam este liceu e telefonei-lhes três ou quatro vezes para ter a certeza de que estavam em casa, nem queria acreditar. Todos dizem que o transporte aéreo é o mais seguro, e acontece uma coisa destas? É incrível. Os meus irmãos estão deprimidos.

Um outro tenta testemunhar: – Não se pode exprimir por palavras, diz respeito a todos. É impensável.

Uma jovem estudante alega: – Todos se conhecem, aqui, e mesmo se não conhecem as vítimas pessoalmente, conhecem-nas de vista. Imagino o que deve ser para a família, é verdadeiramente difícil, mas, pelo menos, estamos todos unidos.

As solicitações dos Media são muitas, mas ninguém fala para as câmaras no perímetro do estabelecimento de ensino. A polícia alemã faz respeitar este princípio: a dor não se ostenta, a dor partilha-se.

Os repórteres esperam. Também se ressentem.

Olaf Bruns, euronews – Um impressionante silêncio marca o ambiente na escola, todos precisam recolher-se e, juntos, começarem o luto. Mesmo os mais jovens ficaram em silêncio à entrada do Liceu e acenderam velas. Um deles disse-me que não conseguia chorar porque não conseguia acreditar no que se passou.