Última hora

Última hora

Caso "Amanda Knox" chega ao cinema com a "cara de um anjo"

Em leitura:

Caso "Amanda Knox" chega ao cinema com a "cara de um anjo"

Tamanho do texto Aa Aa

"The Face of an Angel" passou em outubro pelo Festival Internacional de Cinema do rio de Janeiro, mas ainda não tem estreia comercial marcada para o mundo lusófono

Michael Winterbottom está de regresso ao grande ecrã. O realizador britânico de “24 Hour Party People” propõe-nos desta feita “The Face of an Angel” (“A cara de um anjo”, em tradução direta), um “thriller” inspirado num caso real: o assassínio em 2007 da estudante britânica Meredith Kercher, em Perugia, Itália, que levou à condenação da colega norte-americana Amanda Knox e do então namorado italiano Raffaele Sollecito a, respetivamente, 28 anos e meio e 25 anos de prisão.

Point of view

Procurámos tratar todos os factos da história e do julgamento com precisão como se este filme fosse de facto sobre o caso real

O processo foi muito mediático e passou a livro pela mão da jornalista americana Latza Nadeau. O realizador britânico, de 53 anos, pegou na história exatamente pelo interesse mediático que a mesma espoletou. “O filme retrata a forma como os meios de comunicação acompanham este tipo de histórias. Não especificamente esta história, mas este tipo de casos: julgamentos de homicídios ou de crimes violentos. À medida que o filme evolui, a ideia é, no entanto, afastar-se disso. Começa, de certa forma, por explicar o papel dos meios de comunicação, mas depois foca-se na rapariga que morreu”, refere-nos Winterbottom, acrescentando que esta é suposta ser uma história “sobre o amor por alguém com quem não podemos estar”: “Há vários ângulos da história, mas no final o que espero é que este seja um filme sobre amor e luto.”

A britânica Kate Beckinsale dá vida a uma personagem inspirada na jornalista americana que acompanhou o “caso Amanda Knox” e escreveu o livro, mas que no grande ecrã assume o nome “Simone Ford”. O alemão Daniel Brühl, que se deu a conhecer com os filmes “Adeus, Lenine!” e ganhou fama no papel de “Niki Lauda”, dá corpo a “Thomas”, o realizador divorciado que aceita fazer um documentário sobre o processo.

“Pareceu-me errado misturar nomes fictícios com reais e combinar uma jornalista inventada com o caso real. Por isso, mudamos a história para Siena, alterámos os nomes dos intervenientes, mas procurámos tratar todos os factos da história e do julgamento com precisão como se este filme fosse de facto sobre o caso real. Não queríamos distorcer o julgamento ou a história do crime”, explica o realizador.

A “top model” britânica Cara Delevingne faz igualmente parte do elenco. A neta da atriz Joan Collins interpreta “Melanie”, uma outra estudante britânica que se cruza no trabalho de “Thomas”, o realizador interpretado por Daniel Brühl.

“The Face of an Angel” passou em outubro pelo Festival Internacional de Cinema do Rio de Janeiro, no Brasil. O filme ainda não tem título oficial em português nem estreia comercial prevista para o mercado lusófono, mas é lançado esta semana nas salas britânicas e irlandesas, numa altura em que a justiça italiana se prepara para deliberar sobre os recursos apresentados pelos advogados de defesa pelas condenações confirmadas em janeiro de Amanda Knox e Raffaele Sollecito.

Caso real em processo de recurso da condenação

A norte-americana encontra-se nos Estados Unidos, para onde regressou em 2011 quando foi revista para absolvição a primeira condenação proferida dois anos antes de 26 anos de prisão. O italiano encontra-se detido em Itália tal como Rudy Guede, um jovem natural da Costa Marfim e criado em Perugia, incriminado pelas provas forenses encontradas no cadáver de Meredith Kercher. O africano foi condenado a 30 anos de prisão.

A britânica, então com 21 anos, foi encontrada degolada e com sinais de ter sido esfaqueada quase cinquenta vezes. O tribunal de Florença reabriu o caso há três anos e acabou por reconfirmar a condenação de Amanda Knox, que na altura do crime tinha 20 anos, e do ex-namorado, que tinha 23. Os acusados recorreram.