Última hora

Em leitura:

França vira à direita, Sarkozy canta vitória nas departamentais


França

França vira à direita, Sarkozy canta vitória nas departamentais

ALL VIEWS

Clique para descobrir

O centro-direita foi o grande vencedor das eleições departamentais em França. A UMP de Nicolas Sarkozy, aliada aos centristas da UDI, conseguiu pintar o mapa de França de azul, numa votação que foi, em grande medida, um castigo dos eleitores ao presidente socialista François Hollande e ao governo chefiado por Manuel Valls.

O centro-direita tem agora 66 departamentos, a esquerda e centro-esquerda ficam com 34. O Partido Comunista mantém apenas um, Val-de-Marne, na região de Paris.

Sarkozy canta vitória e pensa já nas legislativas e presidenciais: “Vamos agora acelerar a preparação de um projeto republicano de alternativa, para voltar a levantar o país e reverter o declínio em que fomos mergulhados pelo socialismo mais arcaico da Europa”, disse o ex-presidente e líder da UMP.

Foi a quarta derrota consecutiva dos socialistas, em eleições intermédias: “A esquerda, demasiado dispersa e dividida na primeira volta, teve um claro recuo, apesar do bom desempenho dos executivos departamentais”, na opinião do primeiro-ministro socialista Manuel Valls.

Outro perdedor foi a Frente Nacional de Marine Le Pen, que tinha sido o partido mais votado, a nível nacional, na primeira volta. A FN acabou por não conseguir nenhum departamento.

“O objetivo aproxima-se: Chegar ao poder, aplicar as nossas ideias para levantar a França, devolver-lhe a liberdade, a segurança e a prosperidade. O empobrecimento, o desemprego em massa e a destruição da nossa identidade não são fatalidades”, diz Le Pen.

Foi uma deceção para os apoiantes da FN, que já nas europeias tinha ficado em primeiro lugar, e acabou agora vítima do sistema maioritário a duas voltas, com os votantes dos outros partidos a fazer-lhe barragem.

Sem surpresas, outro dos grandes vencedores nestas eleições foi a abstenção. Apenas um em cada dois eleitores foi às urnas.

ALL VIEWS

Clique para descobrir

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

Artigo seguinte

mundo

Germanwings: Talvez nunca se conheça o conteúdo da segunda caixa negra