Última hora

Última hora

Fim das quotas leiteiras preocupa pequenos produtores

Algumas dezenas de pequenos produtores de leite vindos de vários países da União Europeia manifestaram-se, esta terça-feira, em Bruxelas, contra o fim do regime de quotas criado em 1984. A partir de 1

Em leitura:

Fim das quotas leiteiras preocupa pequenos produtores

Tamanho do texto Aa Aa

Algumas dezenas de pequenos produtores de leite vindos de vários países da União Europeia manifestaram-se, esta terça-feira, em Bruxelas, contra o fim do regime de quotas criado em 1984.

Point of view

Se os pequenos agricultores desaparecerem vamos ter progressivamente mais explorações de tipo industrial, que juntam mil, duas mil ou cinco mil vacas. Serão apenas fábricas de matéria-prima para a indústria.

A partir de 1 de abril, o setor tem de adaptar-se à total liberalização e regular a produção de acordo com a flutuação de preços no mercado.

O produtor Karl-Otto Vollrath disse à euronews que “com o fim do sistema de quotas não haverá casos de sucesso entre os agricultores, sejam proprietários de 50 ou de 500 vacas”.

O eurodeputado dos Verdes, José Bové, acrescentou que “se os pequenos agricultores desaparecerem vamos ter progressivamente mais explorações de tipo industrial, que juntam mil, duas mil ou cinco mil vacas. Serão apenas fábricas de matéria-prima para a indústria”.

A Comissão Europeia (CE) justificou o fim das quotas com o facto do consumo estar em forte expansão, tanto ao nível doméstico, como ao nível da exportação, sobretudo para a Ásia.

Mas outra eurodeputada dos Verdes, Maria Heubuch, argumenta que “a quantidade de leite no mercado vai continuar a aumentar e os preços vão descer”.

“Solicitamos a criação de um programa de acompanhamento do mercado para intervir nos momentos de crise, quando a produção supera em muito a procura. Isso permitirá retomar o equilíbrio no mercado e evitar que o preço desça a pique”, disse o presidente da associações de produtores europeus, Romuald Schaber.

A CE diz que está atenta a esse risco e criou o Observatório do Mercado do Leite. Bruxelas admitir voltar a intervir no caso de cenários graves, tais como embargos comerciais e outras alterações súbitas no setor.

O caso dos Açores

Os Açores representam apenas 2,5% do território português, mas são a fonte de mais de 30% do leite produzido no país. Metade da economia açoriana assenta na agropecuária e, dentro dela, o leite pesa mais de 70%.

O Governo Regional e os produtores de leite, através da federação que os representa, insistem na necessidade de serem aprovados em Bruxelas apoios suplementares para os Açores.

Tais apoios seriam transitórios, mas ajudariam a enfrentar a condição de ultraperiferia que encarece a produção.

No entanto, a CE já rejeitou essa possibilidade, por considerar que o programa para as ultraperiferias POSEI (que no caso dos Açores é de 77 milhões de euros por ano) já possui mecanismos para ajudar à adaptação.