Última hora

Última hora

Ex-mulher de Marc Dutroux: Do convento para casa do juiz

O convento das Irmãs Clarissas de Malonne, onde Michelle Martin viva desde a libertação condicional, vai, em breve, mudar-se para Bruxelas

Em leitura:

Ex-mulher de Marc Dutroux: Do convento para casa do juiz

Tamanho do texto Aa Aa

Michelle Martin, a ex-mulher do pedófilo belga Marc Dutroux, vai mudar-se para a casa de um antigo juiz, em Florette.

Point of view

A reinserção é o que faz a diferença entre a justiça da vingança e a justiça da civilização - Christian Panier

Christian Panier, antigo presidente do tribunal de primeira instância de Namur, assinou, com Michelle Martin, um contrato de arrendamento de uma parte da casa onde vive, um antigo palheiro convertido em habitação.

O juiz explica a sua opção, que tem o aval dos tribunais belgas: “A reinserção é o que faz a diferença entre a justiça da vingança e a justiça da civilização. E as freiras, quando a acolheram em Malonne, diziam que ‘há sempre um resquício de humanidade no fundo do coração de alguém que fez as piores coisas”.

Libertada condicionalmente em 2012, sob os protestos da população e após ter cumprido 16 dos 30 anos de prisão a que fora condenada, Michelle Martin vivia desde então no convento das Irmãs Clarissas de Malonne, na região de Namur – convento que vai, em breve, mudar-se para Bruxelas.

Em 2004, Michelle Martin fora condenada pela participação ativa no rapto de seis meninas, levado a cabo pelo ex-marido, Marc Dutroux – nos anos 1990 – e por ter deixado morrer à fome duas das crianças, de 8 anos, encerradas na cave da casa onde o casal vivia, em Charleroi, no sul da Bélgica.