Última hora

Última hora

Grécia longe de convencer parceiros a desbloquearem verbas

Em leitura:

Grécia longe de convencer parceiros a desbloquearem verbas

Tamanho do texto Aa Aa

“As instituições europeias estão encerradas até 6 de abril, pelo que as negociações com as autoridades gregas serão retomadas só na próxima semana, em Atenas. Os negociadores europeus estão céticos sobre serem criadas as condições para que o Eurogrupo se reúna em breve já que se mantém grandes divergências”, explica a correspondente da euronews em Bruxelas, Efi Koutsokosta.

O impasse permanece porque a nova lista de reformas que o governo grego enviou aos credores, na quarta-feira, prevê um significativo aumento das receitas; mas também inclui medidas que levarão a mais despesa, como o 13.º mês para as pensões mais baixas.

O chamado Grupo de Bruxelas, como agora são referidos os membros da troika, continua a pressionar Atenas para fazer mais reformas na segurança social, no mercado de trabalho e nas privatizações.

O país está à beira da bancarrota e a 9 de abril vence mais uma fatia da dívida ao FMI na ordem dos 450 milhões de euros.

Atenas precisa com urgência de desbloquear a última tranche dos programas de assistência (um total de 240 mil milhões de euros), que se cifra em 7,2 mil milhões de euros.

Num importante sinal político para Bruxelas, Alexis Tsipras faz uma visita oficial à Rússia a 8 de abril.

O encontro com o Presidente Putin foi inicialmente marcado para maio, mas o primeiro-ministro grego decidiu antecipar a reunião.

Apesar de Moscovo ter várias vezes mostrado disponibilidade para ajudar Atenas, tal é desvalorizado pela Comissão Europeia (CE).

Uma porta-voz da CE, Mina Andreeva, recordou “o que foi dito pelo comissário Pierre Moscovici. Não há nenhuma razão para que Alexis Tsipras não tenha uma boa relação com Vladimir Putin. O único comentário que posso fazer é que claramente a Rússia não é uma alternativa para a Grécia. A Grécia é um membro da zona do euro e, por isso, não estamos preocupados”.

Face ao braço-de-ferro, é possível que a crise negocial se arraste até à próxima reunião informal dos ministros das Finanças europeus, a 24 de abril, em Riga.