This content is not available in your region

Acelerador de partículas do CERN volta a provocar colisões na Suíça

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com Reuters, CERN
Acelerador de partículas do CERN volta a provocar colisões na Suíça

<p>Depois de dois anos parado, o maior acelerador de partículas do Mundo voltou a ser ativado e este domingo, no <span class="caps">CERN</span>, antigo acrónimo pelo qual é conhecida a Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear, voltou a provocar colisões em Meyrin, a localidade suíça na região de Genebra onde se localiza o Laboratório Europeu de Física de Partículas.</p> <p>Este enorme aparelho, uma das estrelas do primeiro livro de grande sucesso do norte-americano Dan Brown, “Anjos e Demónios”, foi o responsável pela descoberta há cerca de três anos do “Bosão de Higgs”, partícula inicialmente predita em 1964 pelo físico britânico Peter Higgs. </p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt"><p>Breaking news: <span class="caps">CERN</span> researchers confirm existence of the Force <a href="http://t.co/BPp2wV01dp">http://t.co/BPp2wV01dp</a> <a href="http://t.co/1TXkbUTdsm">pic.twitter.com/1TXkbUTdsm</a></p>— <span class="caps">CERN</span> (@CERN) <a href="https://twitter.com/CERN/status/583147747710263296">1 abril 2015</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Também conhecido como “a partícula de Deus”, este bosão é visto como a partícula elementar que terá resultado do chamado “Big Bang”, a explosão de onde terá surgido o universo e, claro, por conseguinte, o nosso planeta Terra e toda as formas de vida conhecidas.</p> <p>O diretor de Relações Internacionais do <span class="caps">CERN</span>, Rudiger Voss, frisa mesmo que, “sem o campo de Higgs, não existiriam átomos, núcleos ou moléculas, que são as partes fundamentais de toda a matéria”. “Por isso, também não existiriam estrelas, galáxias ou sistemas planetários. Não existiria a Terra, nem vida no planeta”, reforçou Voss.</p> <blockquote class="twitter-tweet" lang="pt"><p>Beam 1, the second to circulate, is successfully through all sectors of the <span class="caps">LHC</span>! Startup complete! <a href="https://twitter.com/hashtag/RestartLHC?src=hash">#RestartLHC</a> <a href="http://t.co/ZgI0E1J8k6">pic.twitter.com/ZgI0E1J8k6</a></p>— <span class="caps">CERN</span> (@CERN) <a href="https://twitter.com/CERN/status/584663847568543745">5 abril 2015</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>O Grande Acelerador de Hadrões, conhecido pela sigla inglesa <span class="caps">LHC</span> (“Large Hadron Collider”), teve a reativação agendada para 25 de março, mas um curto-circuito atrasou o processo. Na quinta-feira, o <span class="caps">CERN</span> anunciou ter tudo novamente a postos e este domingo, às primeiras horas da manhã, as partículas de protões voltaram a acelerar em sentidos opostos no túnel subterrâneo, preparado para o efeito sob a fronteira da Suíça e da França e com cerca de 27 quilómetros em forma de circunferência, rumo a novos “big bangs”, ou seja, colisões.</p>