Última hora

Última hora

Geolocalização ajuda a proteger as tartarugas marinhas

Em leitura:

Geolocalização ajuda a proteger as tartarugas marinhas

Tamanho do texto Aa Aa

Uma equipa de investigadores australianos aposta na geolocalização para proteger as tartarugas marinhas.

Uma equipa de investigadores australianos aposta na geolocalização para proteger as tartarugas marinhas. A espécie está em risco de extinção devido à caça, à poluição e às alterações climáticas.

Point of view

O pequeno dispositivo atado à carapaça das tartarugas emite um sinal. Basta descarregar os dados na Internet e ver os locais por onde elas passam.

O objetivo dos cientistas da Universidade James Cook é conhecer em detalhe as causas da mortalidade do animal.

Cada cria recebe um pequeno aparelho GPS antes de mergulhar nas águas da Grande Barreira de Coral australiana. O dispositivo pesa apenas cem gramas. “O pequeno dispositivo atado à carapaça das tartarugas emite um sinal. Basta descarregar os dados na Internet e ver os locais por onde elas passam”, explicou o investigador Mark Hamann.

Graças ao GPS, os investigadores vão conhecer melhor o modo de vida das crias e a forma como usam as correntes do oceano. “Nem sequer sabemos bem quais são as ameaças mais importantes. Não sabemos o que fazem as tartarugas. Trata-se de um grande mistério. É preciso saber mais coisas para poder proteger a espécie”, disse a investigadora Julia Dunn.

A sobrevivência das tartarugas marinhas é posta em causa pela caça intensiva, associada ao consumo da carapaça. As redes de pesca matam dezenas de milhares de animais por ano. Além disso, o desenvolvimento costeiro nas áreas impede as fêmeas de pôr os ovos.