Última hora

Última hora

FMI recusa abrir precedente para a Grécia

A Grécia continua no centro dos debates, durante os trabalhos das reuniões da primavera do FMI e do Banco Mundial em Washington, numa altura em que

Em leitura:

FMI recusa abrir precedente para a Grécia

Tamanho do texto Aa Aa

A Grécia continua no centro dos debates, durante os trabalhos das reuniões da primavera do FMI e do Banco Mundial em Washington, numa altura em que aumentam os receios de incumprimento da dívida.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) descartou a hipótese de ser concedido à Grécia um adiamento dos reembolsos.

O ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, declarou que o seu governo está determinado a levar a bom termo as reformas exigidas pelos credores, para que seja desbloqueada uma tranche de ajuda de 7,2 mil milhões de euros.

“Nós aceitaremos compromissos, faremos compromissos para conseguir rapidamente um acordo, mas não nos comprometeremos”, disse o ministro grego, acrescentando que “Não foi para isso que fomos eleitos”.

Varoufakis enfrenta porém a determinação da diretora-geral do Fundo Monetário Internacional. Christine Lagarde afirmou em conferência de imprensa não existir um tratamento preferencial para a Grécia, assinalando que a concessão de um adiamento seria um “financiamento adicional” a Atenas.

“É evidente que não é o caminho adequado nem recomendável, na situação atual. Nunca tivemos uma economia desenvolvida a pedir adiamentos dos pagamentos”, disse Lagarde.

o comissário europeu para os Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, garantiu que a União Europeia não está preparando uma saída do país da zona euro. “A posição da Comissão Europeia é a de que a Grécia tem seu lugar na zona euro”, disse o político francês.

As declarações de Moscovici surgem no seguimento do comentário recente do economista-chefe do FMI. Segundo Olivier Blanchard, os mercados financeiros seriam afetados por uma eventual saída da Grécia do euro, mas esta não colocaria em risco a zona euro.

A data prevista para um acordo com a Grécia era 24 de abril, na reunião do Eurogrupo em Riga, na Letónia, mas já se admite que possa ter de ser agendada uma reunião extraordinária do Eurogrupo para uma data posterior.