Última hora

Em leitura:

Iémen: À beira de um acordo de cessar-fogo?


mundo

Iémen: À beira de um acordo de cessar-fogo?

A Arábia Saudita anunciou o fim dos bombardeamentos aéreos no Iémen, ao final de 26 dias da operação contra as milícias xiitas.

Riad considera ter cumprido os objetivos militares da missão e que agora é tempo de relançar o processo diplomático e de reconstrução do país, mas sem ainda abandonar as armas.

O anúncio saudita coincide com informações de que as milícias xiitas teriam chegado a um acordo, mediado pelo Irão, para iniciar discussões com vista a um cessar-fogo.

“Os nossos objetivos militares foram alcançados e vamos tentar agora obter uma solução política, cujos objetivos são a proteção do poder legítimo do Iémen, a dissuasão dos ataques das milícias e prevenir que os ataques das milícias não atingem os países vizinhos, nomeadamente a fronteira sul da Arábia Saudita”, afirmou o porta-voz da coligação militar árabe.

Horas antes, Riad tinha anunciado a mobilização da Guarda Nacional para uma eventual intervenção terrestre, o provável segundo capítulo da ofensiva.

O fim dos ataques aéreos ocorre depois de mais de 40 civis terem sido mortos nos raides das últimas 48 horas, na capital e no centro e sul do país.

Em paralelo, a cidade de Taiz parecia estar esta terça-feira longe de qualquer solução pacífica, com um reacender dos combates entre os campos rivais na cidade ocupada pelos Houtis.

O Irão que é acusado de apoiar as milícias, saudou já a decisão de Riad de pôr fim aos bombardeamentos.

Teerão mantém desde há vários dias nove navios de guerra estacionados ao largo do Iémen, vigiados de perto por nove navios norte-americanos que chegaram ontem ao local.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte

mundo

Centenário do primeiro ataque com armas químicas é assinalado na Bélgica