Última hora

Última hora

Etiópia: Manifestação pacíficia antiterrorismo acaba em confrontos violentos

O governo terá ajudado a promover a manifestação antiterrorismo. Alguns terão aproveitado para criticar e responsabilizar o executivo, gerando a violência

Em leitura:

Etiópia: Manifestação pacíficia antiterrorismo acaba em confrontos violentos

Tamanho do texto Aa Aa

Uma manifestação pacífica em Adis Abeba, capital da Etiópia, em memória dos cristãos etíopes executados na Líbia pelo grupo terrorista Estado Islâmico (ISIL, na sigla inglesa) acabou, esta quarta-feira, em confrontos com a polícia.

Os protestos começaram por ter como alvo o grupo “jihadista” e o terrorismo. “Não nos vergamos ao terrorismo”, “o mundo tem de se unir contra o terrorismo”, lia-se em alguns dos cartazes empunhados. Um outro grupo de manifestantes ter-se-á, entretanto, juntado aos protestos e apontou o alvo à alegada passividade do governo etíope, que tarda em criar condições no país para reduzir o desemprego.

Daniel Dawit era amigo de um dos etíopes cristãos que surgiram a ser executados num vídeo divulgado durante o fim de semana pelo ISIL. Ele lamenta que os jovens etíopes continuem a ter de arriscar uma migração clandestina para tentarem encontrar uma vida melhor além-fronteiras: “Os etíopes emigram porque nós queremos uma vida melhor. Temos etíopes com habilitações e diplomas, mas nós não conseguimos encontrar trabalho aqui. Os etíopes não querem emigrar. Mas a atual situação força-nos a isso.”

A manifestação desta quarta-feira foi alegadamente promovida pelo próprio governo, para prestar solidariedade às famílias dos etíopes mortos pelo grupo “jihadista”. O evento assinalava também o início de três dias de luto nacional pelas vítimas desta execução coletiva. Mas acabou por descambar em confrontos com a polícia.

Às pedras lançadas por alguns dos manifestantes, as autoridades responderam com gás lacrimogéneo e o uso de bastões. Várias pessoas foram detidas e alguns agentes de autoridade tiveram de ser retirados da zona de confrontos.

Apesar das críticas à falta de condições no país, o primeiro-ministro da Etiópia apela aos jovens para não deixarem o país, arriscando uma perigosa travessia do deserto do Sara com destino à Europa.

Embora a economia etíope esteja em rápido crescimento, a taxa de desemprego continua alta — na ordem dos 17,4 por cento, de acordo com a Agência Central de Estatística da Etiópia. Muitos jovens arriscam a travessia do deserto até à Líbia e, daí, a do Mediterrâneo rumo à Europa.

Às mortes a avolumarem-se por estes dias no mar, somam-se agora a dos cristãos executados pelos terroristas islâmicos. O perigo agrava-se em torno do sonho de encontrar o “El Dorado” europeu.