Última hora

Última hora

Inglaterra: George’s Day

Londres tem, hoje, o segundo maior número de restaurantes com estrelas Michelin na Europa, logo a seguir de Paris.

Em leitura:

Inglaterra: George’s Day

Tamanho do texto Aa Aa

Verdadeiro ou falso? Sete mitos sobre a Inglaterra e os ingleses a esclarecer no dia de St George.

1. Grã-Bretanha, Reino Unido e Inglaterra – são a mesma coisa, não ?

Não!

A Grã-Bretanha é composta por Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

É também conhecida como Reino Unido. “Unido” é um termo aberto ao debate, mesmo se, na Escócia, os nacionalistas perderam um referendo sobre a independência, no ano passado.

A Irlanda foi historicamente parte da Grã-Bretanha, mas declarou a independência em 1922, enquanto a parte norte escolheu permanecer no Reino Unido.

2. O inglês “inventou o futebol” e por isso são bons a jogar à bola

Se o inglês inventou um jogo bonito é contestável, mas as origens do futebol podem ser traçadas a partir de 1863, quando o futebol de rugby e futebol de onze ganharam as características que hoje os definem.

É, talvez, a longa história e a única vitória da Inglaterra no Campeonato do Mundo, em 1966, que alimentam o mito de que os ingleses são bons no futebol.

Mas os factos falam por si. A Inglaterra continua à espera de melhorar a sua envergonhada percentagem de penáltis bem sucedidos – 17 por cento.

3. A Inglaterra é uma nação de alcoólatras

A imagem dos hooligans ingleses a apanhar sol numa praia do Algarve, com um litro de cerveja na mão, não anda longe. Mas é por isso que a Inglaterra é um país de alcoólatras?

Houve, sem dúvida, um problema com o consumo de álcool em excesso, mas relatórios recentes sugerem que tem havido algum progresso. Há sempre esperança. Um documento da Organização Mundial de Saúde, de 2014, revela que a Grã-Bretanha – Inglaterra e não só – foi uma das zonas do mundo com maior consumo de bebidas alcoólicas.

4. A comida inglesa é horrível

“Não se pode confiar nas pessoas cuja culinária é tão má”, disse o então presidente francês, Jacques Chirac, em 2005.

É justo dizer que a gastronomia inglesa tem má reputação, especialmente a nível internacional, e sobretudo no entender dos vizinhos franceses.

Mas há motivos para otimismo. A tendência ao longo da última década tem sido a revelação de cozinheiros britânicos que promovem uma melhor imagem nacional e influenciam as pessoas, através da publicação de livros e programas de televisão.

Londres tem, hoje, o segundo maior número de restaurantes com estrelas Michelin na Europa, logo a seguir de Paris.

5. O inglês adora viajar. Deve ser bom em línguas estrangeiras

A Inglaterra tem uma rica história de viajantes e exploradores, de James Cook a Charles Darwin.
Assim, com toda essa exposição à cultura estrangeira, certamente, o inglês terá desenvolvido um certo jeito para falar outras línguas. É o que podemos pensar.
Na verdade não! Apenas 4,6 por cento dos estudantes britânicos foram aprender duas ou mais línguas estrangeiras, em 2011, o nível mais baixo da UE, de acordo com dados do Eurostat.

6. Cada pessoa fala inglês como a Rainha

Um estudo recente concluiu que o sotaque britânico é sexy, talvez dando peso à ideia de que todo o falante se exprime como a Rainha.

Na verdade, a Inglaterra tem uma enorme variedade de dialetos, de Cockney, no East End de Londres até Scouse em Liverpool.

7. O clima inglês é sempre horrível

Não! O sol também brilha no país do nevoeiro. O ponto importante é que existem grandes variações. Em Lake District, no norte da Inglaterra, a percipitação ronda os 1.500 milímetros, enquanto que em East Anglia, no sudeste da Inglaterra, é menos de 700 mm.