Última hora

Última hora

Iémen: Conflito agrava-se e Cruz Vermelha fala em "catástrofe humanitária"

A violência no Iémen é já como se fosse parte da rotina diária. No sul do país, em Aden, os tiros e os disparos de morteiros de granada continuam a

Em leitura:

Iémen: Conflito agrava-se e Cruz Vermelha fala em "catástrofe humanitária"

Tamanho do texto Aa Aa

A violência no Iémen é já como se fosse parte da rotina diária. No sul do país, em Aden, os tiros e os disparos de morteiros de granada continuam a marcar o ritmo de um país em declínio. A cidade portuária está ainda bloqueada e privada da chegada de mantimentos.

Os rebeldes xiitas “hutis” apoiam o ex-presidente Ali Abdallah Saleh e têm o Irão do seu lado. As forças aliadas ao Presidente Mansour Hadi, de momento exilado, contam com o apoio aéreo de uma aliança internacional liderada pela Arábia Saudita.

Na semana passada, foi anunciada suspensão dos bombardeamentos aéreos pela aliança pró-presidente. Não se confirmou. Nos últimos dois dias assistiu-se a um intensificar dos confrontos no Iémen. A Cruz Vermelha Internacional alertou, esta segunda-feira, que a atual situação no país é “uma catástrofe humanitária”. “Já era difícil o suficiente antes, mas agora nem há palavras para o tão mau que isto se tornou”, afirmou a porta-voz da Cruz Vermelha, Marie Claire Feghali.

De acordo com as Nações Unidas, só nos últimos trinta dias já morreram mais de 1.000 pessoas, metade delas civis e entre estes quase 120 crianças.