Última hora

Última hora

A realidade aumentada: a publicidade já não é que era?

Em leitura:

A realidade aumentada: a publicidade já não é que era?

Tamanho do texto Aa Aa

As novas tecnologias mudaram a forma de fazer publicidade. Recentemente, em Londres, uma paragem de autocarro foi equipada com um sistema de

As novas tecnologias mudaram a forma de fazer publicidade. Recentemente, em Londres, uma paragem de autocarro foi equipada com um sistema de realidade aumentada. Goste-se ou não ninguém fica indiferente.

“No mundo atual, as pessoas passam o dia inteiro a ver publicidade, há dez mil contactos publicitários com as marcas, é enorme. Para conseguir afirmar-se nesse oceano de marcas que povoam o nosso quotidiano, é preciso ser criativo e engenhoso e é preciso cativar o consumidor e implicá-lo numa relação de troca”, considerou o professor universitário suíço, Julien Intartaglia.

Há cada vez mais empresas interessadas em inovar ao nível da publicidade. Uma empresa suíça dedica-se a melhorar a publicidade das publicações em papel.

“Fazemos uma integração de conteúdos ou colocamos um vídeo sobre a foto para criar a impressão de que o vídeo está integrado na revista”, explicou Philippe Jeanrenaud, especialista suíço em realidade virtual.

Há várias formas de combinar mundo virtual e mundo real de um modo interativo. Uma revista pode criar, por exemplo, uma aplicação para smartphone com imagens filmadas com um ângulo de 360 graus. “É uma oportunidade para as marcas criarem interação com o consumidor, este sistema funciona melhor do que no caso dos conteúdos estáticos como as publicidades nas revistas”, acrescentou o responsável.

A grande questão é saber se a realidade aumentada permite aumentar as vendas. Para já, as empresas garantem que as novas tecnologias permitem aos consumidores partilharem a publicidade com os amigos e conhecidos.

“Se estou imerso numa experiência de consumo inédita tenho vontade de falar disso à minha volta o que por sua vez suscita um interesse das pessoas. Isso é interessante porque temos um modelo de influência publicitária. Deste modo as marcas podem trabalhar ao nível da implicação dos clientes”, sublinhou Julien Intartaglia.

A Swisscom é uma das empresas que aposta em novos formatos publicitários mais interativos.

“Implementámos operações para as revistas em papel que enriquecem os conteúdos com vídeos e jogos, o que pode interessar o consumidor e prolongar a experiência que eles têm com o formato em papel. O editor de uma revista pode fornecer conteúdo aumentado e valorizar a edição em papel que infelizmente, hoje em dia, está em declínio”, afirmou Thierry Kunstmann, consultor da empresa de telecomunicações suíça.

Os estudos de mercado indicam que as empresas de publicidade deverão investir cada vez em realidade aumentada. O único risco é que o consumidor acabe sem querer por se tornar ator não remunerado de campanhas de publidade…